terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

A dificuldade em ser Relações Públicas

Por Marcia Ceschini


Não, este não será um artigo de choramingos sobre a profissão. Mas uma constatação. Ser Relações Públicas é difícil em Pernambuco, em Porto Alegre, em Curitiba, em São Paulo, em Araraquara  e até mesmo nos “cafundós do Judas”.

Primeiro vem a dificuldade de conceituarmos,  dizermos o que é nossa profissão, depois a dificuldade da empresa entender a necessidade de ter um profissional RP. Mesmo com todo avanço da comunicação, nós profissionais e estudantes de RP nos deparamos com várias dificuldades.

Esse “privilégio”de desconhecimento e dificuldades é independente do tamanho da empresa e área de atuação. Está ligado ao modelo de gerenciamento adotado e as definições de prioridades na empresa.

Ora, se a empresa não liga para o relacionamento com seu público como é que saberá que necessita da prática de nossos conhecimentos? Como que essa empresa terá consciência que precisa valorizar e investir no seu capital humano? Como que essa empresa atuará com um marketing competitivo?

É exatamente neste momento que ser Relações Públicas fará toda a diferença. Crie um plano com pontos forte e fracos, mostre a necessidade de atuar mais próximo aos públicos que a compõem. Passe pelos departamentos da empresa colhendo informações que mostrem estatisticamente que seu trabalho renderá bons resultados.

Aproveite a macro visão que nossa formação possibilita e crie saídas para problemas na empresa em que trabalha, mesmo que não tenham solicitado ou tenham se dado conta que tais problemas existem e podem ameaçar o futuro da empresa.

Não importa onde ou em que situação esteja, seja um estagiário ou um profissional que faz a diferença. Sua moeda de troca é seu conhecimento e sua pró-atividade.

Quando se queixar que é difícil ser RP, pense nas oportunidades que temos. E lembre-se que um dia sempre pode ser melhor que outro, tudo depende do nosso esforço e interesse.

26 comentários:

LIVIA disse...

"Sua moeda de troca é seu conhecimento e sua pró-atividade."

Não vejo dificuldades nas coisas que qualquer profissional tem a fazer, nós costumamos criá-las. Exatamente como você colocou, Márcia, tudo depende de nós. E quanto mais reclamamos, mais dificuldades nos são apresentadas.

Muito bom texto, representa muita coisa, e caiu como uma luva para mim. ;)

Grande beijo,
Lívia Brito.

Marcia Ceschini disse...

Que bom que gostou, Lívia. Padecemos todos do mesmo problema não importa onde estejamos.
Temos que lutar com o que temos né?
beijocas

Felipe Turioni Martins disse...

Fundamental é o trabalho que liga uma empresa ao seu público, tanto para se consolidar ou para simplesmente obter retorno. A função do RP é imprescindível.

Mas é mais imprescindível ainda a afirmação da necessidade desse profissional para o bom desempenho de qualquer marca. Nada se vale sozinho.

E as dificuldades em se impor existem em qualquer área.

Roda Gigante Filmes disse...

Muito legal o texto Carine, acho que no futuro o profissional de RP vai passar a olhar cada vez mais a imagem da marca no ambiente online e com isso se aproximar cada vez mais do trabalho de um profissional de Social Media / Monitoramento.

Beijos,Muito legal o texto Carine, acho que no futuro o profissional de RP vai passar a olhar cada vez mais a imagem da marca no ambiente online e com isso se aproximar cada vez mais do trabalho de um profissional de Social Media / Monitoramento.

Beijos,

Vinicius Zimmer

uniRP disse...

E um "problema" que surge junto com o gradativo conhecimento sobre RP é que: cada empresa, cada organização, cada estabelecimento que tomamos conhecimento, na hora já identificamos e começamos a apontar os erros que cometem e, no próximo momento, já começamos sem esforço a fazer apontamentos de melhorias a partir de estratégias de Comunicação/RP.

Muito legal o texto! Parabéns!

UniRP
www.unirp.blogspot.com

Amanda Meyer disse...

Márcia =) muito pertinente o post...Adorei.
Na Universidade sempre que estamos discutindo faculdades, eu entro na questão "depende muito mais do aluno, do que da própria faculdade".
A pró-atividade com certeza faz a diferença em todas as instãncias da nossa vida. E mais ainda na hora de mostrar a que, nós RP, viemos.

Beijos
Amanda Meyer

www.adoramosfeedback.blogspot.com

Falamos de Moda disse...

Oi Márcia, bacana este texto! É a nossa realidade, e cabe a nós, profissionais desta importante área, mostrarmos para as organizações do que somos capazes!

Muito bom o blog!

Parabéns!
Fernanda, estudante do 7° Período de RP.

Ivan Amorim disse...

Márcia, parabéns!
Muito bom o post, pró-atividade é muito em RP, assim como atitude.
Parabéns mesmo...

Caroline Alcântara disse...

Concordo plenamente,dificuldades existem de todos os lados,não há como negar.Mas sempre partilhei da idéia de que o bom aluno ou profissional só existe graças a um esforço pessoal de cada um. Não basta cruzar os braços e reclamar que o mercado está ruim,que as pessoas não sabem o que você faz,que a faculdade não te dá/deu base suficiente...acredito que temos que buscar!Buscar aprender mais e mais sobre a profissão,fazer cursos,mostrar às pessoas o que fazemos e a importância disso,enfim,como muitos autores já disseram, precisamos ser Relações Públicas(RP) de nossa profissão.Trabalhar a imagem das RP na sociedade para que seja positiva.Parabéns pelo texto!Gostei muito!

Tribuna disse...

Pessoal,

Obrigada pelos comentários.Fiz esse post pois normalmente somos tomados por uma sensação de derrota ou impotência na cidade ou no trabalho que estamos.
Mas nossa formação e nosso interesse faz que adotemos uma outra postura.. afinal, jogo de cintura faz parte de ser RP.

Reparem que meus post são divisões da minha vivência na profissão, aqui no A Bordo falamos de tudo, tecnologia, web 2.0, minha contribuição procura juntar a técnica com a atuação. Obrigada a quem entende e gosta.

beijos


Marcia Ceschini

Tribuna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Alexandre disse...

Márcia,

Parabéns pelo texto.
Realmente, as dificuldades existem mais por criação dos próprios profissionais. Todos têm seu lugar ao sol, basta procurá-lo com calma e afinco.

Abraços,
Alexandre Costa
@alexandre_amc

Su disse...

A falta de "popularidade" da profissão atrapalha bastante, mas nada que não seja possível reverter com muito trabalho e principalmente, muito argumento.
Vivencio isso diariamente na minha empresa. Mas, já obtive muitas conquistas também. É muito gratificante trabalhar nessa área, só que requer paciência, persistência e muito conhecimento!

Hernandes disse...

Ser Relações Públicas é difícil em Pernambuco, (...) CUIABÁ (..) e até mesmo nos “cafundós do Judas”.

Muito bom o texto!

Cibele Silva disse...

Ser RP é dificil em qq lugar sim, mas em proporções diferentes - eu acredito que ser RP em SP (capital) é melhor, grandes empresas estão em SP e conhecem o trabalho de RP.
Existe mais de 12 (pelo que contei) que tem o curso de RP, então é natural que as empresas conheçam mesmo, pois automáticamente tem mais divulgação.

Porém, como vc disse, se as empresas não respeitam o público, o que podemos fazer. Um exemplo, a telefonica não me chama nenhum pouco de atenção para estagiar. É uma empresa que vejo um total desrespeito com o público, então como ser RP em uma empresa dessa?

Ótimo post e reflexivo Marcia.


Abraços,
Belle
@blogabordo

Ocappuccino.com disse...

Saquei a msg da Marcia: Transformar esta dificuldade em oportunidade.

Parabéns, é isso aí.

MATEUS

Rodrigo Cogo disse...

Eu tenho falado num ponto-de-vista e vou escrever aqui também, Márcia: a profissão regulamentada de relações públicas é desconhecida, mas a área de trabalho de RP absolutamente não é. Estou formado há 16 anos, então você pode imaginar que sim, lá atrás, era absolutamente difícil falar em públicos, imagem e afins.

Sobre os "sofrimentos" da profissão de RP poder ser parecido em várias cidades ou estados, ok. Mas a parte que fala das empresas que reconhecem a importância do capital humano e da reputação, ai eu já enxergo uma diferença regional enorme - mercados mais competitivos tendem a ser mais esclarecidos.

Ótimas tuas reflexões e provocações. Afinal, quem achar que refletir sobre uma profissão é choramingar pode pôr o cérebro para doação. Em vida.

Cíntia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cíntia disse...

Sou suspeita pra falar, pois axo tudo de bom os seus textos, mas este veio na hora certa!
Me sinto motivada a montar um plano estratégico para a empresa, mesmo não trabalhando na área, após esta leitura!!!

Jéssica disse...

Oiee, Márcia!!
Ótimo Post!! Tirou as palavras da minha boca!!

Acredito que tudo se resume na força de vontade. Nenhuma profissão é fácil, todas tem dificuldades.
Tanto o estudante como o profissional de Relações Públicas tem habilidades que outras profissões não oferecem, cabe a nós mostrar porque estamos aqui, cada um da sua maneira.

Seu texto me fez lembrar de uma frase, não me recordo o autor.
"Pedras em meu caminho? Guardo todas! Um dia construirei o meu Castelo"

Bjss, Jé

Marcia Ceschini disse...

Pessoal, só tenho a agradecer os comentários e colaborações na discussão de nossa profissão.
O post cumpriu seu objetivo que é mostrar que em maior ou menor grau nós temos os mesmos problemas e oportunidades.
beijos

Natalya Nunes disse...

Olá, Marcia!

Vou confessar que antes de entrar na faculdade eu não sabia exatamente o que fazia um profissional de RP, mas hoje, como estudante de Publicidade e Propaganda, acredito que a Relações Públicas é uma vertente importantíssima da comunicação, tanto é que a cada dia ela se torna mais indispensável dentro das organizações.

Parabéns pelo post.

Bjs

Cynthia disse...

Nossa, é incrível! Eu estava conversando com uma professora sobre isso ontem! Parece que esse texto descreve a situação da minha empresa e os conselhos que recebi da minha professora ontem!

É isso que vou fazer!

Relações Públicas disse...

"Primeiro vem a dificuldade de conceituarmos, dizermos o que é nossa profissão, depois a dificuldade da empresa entender a necessidade de ter um profissional RP."

Eu como estudante de R.P, sinto essa mesma dificuldade.

Sintetizar para um leigo quais são os âmbitos de atuação do RP é bem complexo rsrs, pois muitos ainda desconhecem a nossa profissão (Somos vistos ou como Jo, PP, ou MKT)

Sobre a importância de um profissional na comunicação integrada, a nossa maior dificuldade é difundir que nos tempos de hoje (da famosa geração Y – qual faço parte) a O.P mudou, todos nós agora somos formadores de opinão e elas, influenciam diretamente na imagem da organização.
Fazemos presente para ela na construção de uma identidade forte e uma imagem solida.

Dienyffer Perin disse...

Márcia, ótimo post! Adorei!
Mas gente, sério, pior do que as pessoas que não valorizam a nossa profissão de RP são os RP's que não se valorizam! Que não conseguem ver a utilidade e funcionalidade de um pequena coisa na área da comunicação já é atividade de RP! Acham que só projetos grandiosos fazem parte da nossa profissão, o que sabemos que na prática não é bem assim que funciona.
Abração!
Dienyffer Perin
http://serrrpp.blogspot.com

Marcia Ceschini disse...

Poxa pessoal, como estou contente com esse post e sua repercussão aqui.
Como já disse nas respostas aqui, eu quis mostrar que nossos problemas (ainda e por enqto) são os mesmos.
Nossa formação basta para que façamos pequenas mudanças, algumas limonadas com alguns limões ;D

Nathália, se lhe consola, eu tbm entrei na faculdade sem saber direito o que era RP. Sai amando e atuando em pp e mkt e depois da vivência enxerguei e valorizei muito mais RP. Eu sempre digo que nossa profissão é a mais completa e permite q façamos um trabalho que preenche todos os lados.

Cynthia, que bacana essa sintonia né? Gosto qdo juntamos realidade e academia, sempre proveitoso.

Relações Públicas e Dienyffer obrigada pela colaboração.

beijocas a todos