quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Dicas para acesso remoto

Por Cibele Silva

O acesso remoto no trabalho já é normal para muitas pessoas, mas agora dá para controlar computadores à distância com atividade mais divertidas. Confira a seguir dicas para acessar o computador da sua casa remotamente. Com algumas configurações e acesso a internet você pode estar em uma reunião usando os arquivos do computador em sua casa. E o melhor da para comandar os downloads do torrents do computador do trabalho ou usar o gmail de intreface para controlar um micro remotamente.

1 - Antes de começar você deve fazer um ajuste no roteador para redirecioanr a porta TCP/IP adequada ao micro que será controlado » determine o endereço IP da máquina » tecle ipconfig na linha de comando do windows » acesse a página de configuração do roteador e localize a opção de redirecionamento de portas TCP/IT » tecle o endereço IP da máquina da rede e a porta TCP/IP.


2 - Para quem usa o excelente player XBMC » acesse configurações » Rede » Servidor HTTP » selecione a opção ativar servidor web » tecle um nome de usuário e senha para o acesso remoto e digite a URL do XBMC.
O controle remoto pelo browser não traz informações sobre os vídeos ou músicas, apenas lista os arquivos, mas permite a pausa do conteúdo, além do ajuste de volume.

3 - Para um suporte rápido ao amigo que está com dificuldades o Crossloop é ideal para usos eventuais. Basta rodar o programa, acessar a aba receptor » pressione conectar e passe o número no campo Access Code para quem vai controlar o PC. A outra pessoa acessa a aba prestador, digita o númedo e clica em conectar.

4 - Para você usar o torrent longe de casa use o uTorrent » adicione a porta TCP/IP apropriada » opções » preferências » diretórios e marque torrents automat. da pasta » pressione o botão com reticências e escolha a pasta que será sincronizada.


5 - Para você que vive com o gmail aberto, o Yoics funciona com um gadget para acesso remoto.
Para isso instale o software configurando um login e senha. Acesse o gmail » settings » labs » add any gadget » acesse o URL. Para que o aplicativo funcione o gmail deve estar no versão em inglês.

Para mais informações e downloads para o acesso remoto clique aqui e confira as opções da Info Exame.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

A blogosfera e o jornalismo

Hoje na seção 'extras' temos o prazer de receber Guilherme Freitas jornalista e editor-chefe do Blog da Comunicação.


A primeira década do século 21 transformou o mundo do jornalismo. Muita coisa mudou e todos os veículos de imprensa tiveram que se adaptar, ou melhor, se render ao poder da web. Emissoras de rádio, TV, revistas e jornais diários, todos tiveram que montar seus próprios sites e investir conteúdo neles. Através da telinha do computador podemos assistir a programas de TV, ouvir a transmissão de um jogo de futebol e ler todas as páginas de um jornal. Agora os gigantes da mídia investem em algo que é sucesso na web: os blogs.

Hoje em dia é comum abrir um site de uma rede de TV ou de um jornal e dar de cara que uma infinidade de blogs de produtores, colunistas, jornalistas e diretores das empresas. Grandes portais de mídia até hospedam em seus servidores blogs de atletas, celebridades e políticos. Não podemos ignorar e dizer que é mentira. A blogosfera é um novo modo de se fazer jornalismo.

Conceituados profissionais de imprensa muitas vezes dão informações em primeira mão através de seus blogs, ou twitters. A vantagem do blog é que o autor tem contato direto com o público. Ele pode escrever para os comentaristas e trocar ideias e opiniões, ouvir sugestões para novos posts e com isso, aumentar a audiência e prestígio de seu blog. Muitos jornalistas fazem isso com maestria. Não é a toa que hoje já existem prêmios para melhores blogs e a tendência é que a blogosfera cresça muito nos próximos anos.

Mas ainda há os jornalistas do contra, muitos da velha guarda que não se conformam com a velocidade que a internet alcança. Jornalistas com mais de 40, 50 anos de carreira que viveram seu auge em outras épocas e hoje não se adaptaram as novas tecnologias de informação. Muitos são avessos aos blogs e dizem não confiar na internet. Na minha opinião, isso é preconceito de pessoas que não querem ver que o jeito de se fazer jornalismo mudou, como em outras profissões.

Evoluções sempre aconteceram na história da humanidade e com o jornalismo não teria porque ser diferente. Os blogs fazem parte desta evolução e com certeza terão mais investimentos. A cada dia que passa, a força da blogosfera aumenta. Que continue assim, pois quem sairá ganhando é a sociedade.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Uso de blogs corporativos na prática

Por Kelly Fusteros

Conforme prometido, este post vem para complementar o post da Daniele sobre os seis tipos de uso de blogs corporativo. Baseados na classificação de Fábio Cipriani.


Exemplificando o conceito de blog de Comunicação de Marketing, escolhi o blog da Vivo , pois prioriza em casa post seus serviços e vantagens de se ter um vivo.
Primeiro o blog contextualiza, como
por exemplo, as mensagens de texto sms na sociedade e, no desenrola do texto, menciona seus serviços e aparelhos divulgando
lançamento de novos modelos.



Continuando com os blogs de telefonia celular, aponto o blog da Claro como um blog de Relações Públicas pois seu objetivo é apresentar a empresa, estabelecer um relacionamento com os públicos e fornecer um canal de feedback.



Como Gestão de Clientes, temos o blog da Iveco, que divulga seus produtos, neste caso caminhões, em eventos e propagandas.



No blog da BrandMe, especializada em consultorias, o cliente tira suas dúvidas sobre como elaborar um planejamento estratégico e dicas de marketing para seus negócios. Os visitantes deixam suas dúvidas e delas são construídos posts para esclarecimentos de todos, caracterizando-o como blog de Suporte ao Cliente.



Com o intuito de melhorar os relacionamentos com seus colaboradores e deixá-los mais informados sobre a organização. A Coletek, indústria de periféricos, criou um blog de acesso restrito aos seus funcionários, com as informações necessárias para melhorar o ambiente de trabalho. Este é blog um blog de Gestão do Conhecimento.

E o último exemplo é o blog do Plano Nacional de Cultura que explica o que é o plano nacional de cultura, todas as etapas pelas quais ele já passou e seus resultados, sendo classificado como blog de Gestão de Projeto.


Espero ter ajudado vocês a identificarem cada tipo de uso para o blog corporativo e lembrando que existem milhões de outros exemplos que poderiam também ser citados. Quem quiser trazer dicas de outros blogs sinta-se a bordo e compartilhem as informações.

domingo, 27 de setembro de 2009

Senso crítico sem pré-conceito

Por Daniel Callegaris

Em um carácter mais jornalístico faço aqui uma análise sobre os jornais “mais críticos” das emissoras da TV aberta. Jornais com o propósito de discutir questões de políticas públicas, dizem que são livres dos interesses de manipulação com o papel de reflexão da opinião pública, até pelos nomes: Canal Livre/Band; Em Questão/Gazeta; Jornal da Globo, entre outros.

Mesmo com formatos diferentes - entrevista ou telejornal - todos tentam estimular opiniões mais decisivas em seus telespectadores. Seus horários mais seletivos, a partir das 23h30min, procuram atingir um público influente, tanto na opinião, como na economia.

Conteúdos e personalidades importantes permeiam a programação, como os programas acima citados. Esse é um dos motivos que acho muito útil nossa análise, sobretudo, por se tratarem de um retrospecto do que acontece no dia e na semana, além de passarem em um momento livre: hora de dormir!

Muita gente comenta como cada emissora “puxa sardinha” para seus próprios interesses, - e de fato isso é acontece. Os críticos reclamam da alta manipulação das perguntas e notícias, por prevalecer sempre os interesses de cada emissora, invalidando as pautas do seu caráter informativo, se tornando, muito mais políticas, em um mundo onde o dinheiro é o que manda.

Nós como comunicadores além de fazermos nossas análises temos muito do que retirar desses telejornais, já que a proposta é de formar opinião – cabe a cada um distinguir a veracidade do conteúdo.

Acredito também que diferentes enfoques dos jornais nos ajudam a entender as construções das notícias, suas repercussões e o mais importante, o aprofundamento dos fatos.

sábado, 26 de setembro de 2009

Concorrentes do Twitter

Por Cibele Silva


Lemos e falamos do twitter todos os dias.

Hoje vou escrever em um aspecto diferente – os concorrentes do twitter – mas para isso não posso deixar de trazer alguns dados do popular microblog.

Com o crescimento de 900% em 2008 e o ganhador do Webby Awards, considerado um Oscar da intenet, o twitter virou febre.


Com o sucesso veio os concorrentes.

Vamos conhecer um pouco mais sobre eles.


Meme


O concorrente dentro dos moldes do líder, porém não muito parecido é o Meme, do Yahoo, assim como o orkut no início, só tem acesso a ferramenta quem é convidado por um membro. Foi lançado em março, ainda está em expansão.

O Yahoo no começo precisou ‘dar um tempo’ nas inscrições devido à grande procura. Agora o site está reestruturado e pronto para recepcionar a todos.

A interatividade da ferramenta não é semelhante ao twitter, o nº de caracteres é ilimitado, os vídeos e as fotos são postados diretamente na página.


Jaiku


O Jaiku é praticamente um twitter do Google, muito similar, permite também somente 140 caracteres, porém há possibilidade de utilizar emotions na conversa.

O microblog foi comprado pelo gigante da internet – O Google – será que tem potencial para alcançar o sucesso do twitter, por ser do ‘respeitoso’ Google?


Plurk



Para mim o mais competitivo é o microblog Plurk. Ele inovou a interface e organizou o conteúdo de uma forma mais interativa.

Como o próprio site diz: "Plurk é uma rede social de microblog para a sua vida. Cansado das mesmas Redes Sociais? Compartilhe sua vida facilmente com amigos, familiares e fãs”.


Os posts são publicados por linha do tempo e podem ser editados depois que foi ao ar.

O texto também tem limite de 140 caracteres e são chamados de plurks e são organizados de forma horizontal, e não vertical.

A sistemática de ‘seguir’ alguém no Plurk é diferente. Quando você ‘segue’ alguém, você é considerado como fã e se a pessoa passa a te ‘seguir’ vocês viram amigos. E não é só isso, para incentivar os plurks o microblog recompensa os que utilizam muito de seu perfil e plurkam diariamente, dando a eles karma, uma espécie de pontos que podem ser trocados por emotions exclusivos ou outros atrativos. A ‘brincadeira’ continua, perde karma quem perder um amigo ou ficar inativo.




E você, preparado para novas redes de relacionamento?

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Inovação do Google pelo Transporte Público

Por Cibele Silva

O Google maps é um serviço de pesquisa e visualização de mapas e imagens via satélite, o ofício disponibiliza mapas e rotas de alguns países.

Através do Google Maps a empresa estadunidense Google passou a disponibilizar em dezembro de 2008, o serviço ‘Google transparente público’ nas cidades de Belo Horizonte e de São Paulo, o desenvolvimento da ferramenta foi realizada em parceria com a SPTrans, EMTU e BHTrans. Neste mês a cidade do Rio de Janeiro ganhou o serviço.

O governo está acreditando no potencial do Google de ligar a população aos serviços de transportes. O ofício está sendo complementado nas cidades de Brasília, Recife e Porto Alegre e além de São Paulo e Belo Horizonte que estão com o serviço 100% completo, existe outras 77 cidades com o serviço, conforme dados da Gazeta Online.

Em São Paulo existe o serviço da SPtrans itinerário, porém não há interligação com o metrô e trem. É notável a diferença dos serviços, no site da São Paulo transporte temos que colocar muita informação especifica para obter a rota, como CEP, nº, horários. O Google maps é uma evolução, a facilidade para os cidadãos em procurar as rotas com precisão é muito mais cômoda, eu particularmente uso somente ele quando preciso.


A ferramente não trazer informações somente sobre o transporte público, seu grande diferencial é ‘obter a roda de carro’, com a intenção de não deixar que motoristas fiquem perdidos

Em entrevista a IDGNow o diretor geral do Google Brasil, Alexandre Hohagen afirma que “A inclusão de rotas de transporte público torna o Google Mapas ainda mais relevante para os usuários brasileiros. É uma ferramenta concebida para reunir informações e imagens que facilitarão a vida dos usuários”.

O sistema do Rio de Janeiro é o único que terá cobertura e em toda a região metropolitana, segunda a revista Info a parceria foi desenvolvida com mais precisão. “"Esse é o segundo grande lançamento que fazemos no Google Maps em todo o mundo. Poucas metrópoles têm um projeto tão bem implementado quanto aqui no Rio. Esperamos que o Google Transporte Público também possa contribuir para que o Rio seja escolhido sede dos Jogos Olímpicos de 2016". Diz Hohagen a entrevista utilizada pelo G1.
O Google está ultrapassando fronteiras, hoje está proporcionando o acesso aos transportes públicos com maior precisão, amanhã como já falamos aqui, a empresa está desenvolvendo com a NADA uma ligação entre a Terra com os outros planetas via internet, a chamada Internet Interplanetária. Me pergunto qual será o próximo passo.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Inovação é a essência

Por Daniele Pedace

A 9ª edição do Estudo Interbrand das Melhores Marcas Globais – Best Global Brands 2009 – reflete o comportamento negativo de diversas marcas neste último ano. Pela primeira vez, o valor total das 100 maiores marcas globais em 2009 caiu, essa é uma queda considerada significativa, pois nas últimas edições do estudo o volume total apresentava crescimento médio de 5% ao ano. Sete marcas saíram da lista, entre elas o banco Merrill Lynch e seguradora AIG.

As cinco marcas que mais perderam valor são: UBS (-50%), Citi (-49%), American Express (-32%), Morgan Stanley (-26%) e Harley-Davidson (-43%).
O setor financeiro teve a queda mais significativa em valor de marca, despencou 40%. Também foram abalados pela crise do crédito internacional os setores de transportes (-27%) e automobilístico (-9%).
Todas as marcas de carro integrantes do estudo BGB 2009 perderam valor no ano. A exceção é a Ferrari, que manteve o valor da marca.

As cinco marcas que mais ganharam valor foram: Google (+25%), Amazon.com (+22%), Zara (+14%), Nestlé (+13%) e Apple (+12%). A Coca-Cola está fora deste grupo, pois se destaca por se manter invicta, há uma década, como a líder do ranking.


Apesar da crise, enquanto a maioria das marcas se debatia, algumas ampliaram seus negócios, e, consequentemente, seu valor. O segredo parece ser a capacidade de inovação numa sociedade tão acostumada às mudanças e a relação de confiança entre a marca e o consumidor.

A crise mudou as regras do jogo. Confiança, algo óbvio quando o assunto é marca, tornou-se crucial. Neste novo modelo de relacionamento que está sendo traçado entre consumidores e empresas, intimidade é a chave. As marcas mais inovadoras estão chegando cada vez mais perto da vida de seus consumidores através de redes sociais, blogs e outras formas de comunicação que quebram o conceito da privacidade e são mais refinados que o telemarketing.

Na era digital, além de não haver barreiras físicas, há menos passividade em relação à informação. Com isso, as empresas não controlam mais seus destinos – o sucesso agora depende das conexões que a empresa tem com clientes, parceiros e fornecedores. São eles que controlam e influenciam o futuro de cada organização.

O grande desafio dos empresários hoje é conduzir empresas que não conseguem mais controlar seu destino. Eles estão sendo obrigados a conduzir suas organizações para que apresentem desempenhos excelentes em um mundo de negócios cada vez mais complexo e que muda diariamente.

Clique aqui e veja os dados completos da Revista Fator

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Tipos de uso de blogs corporativos

Por Daniele Pedace

Puxando o gancho do post da Carol, e, como na semana passada, na aula de Textos Institucionais, a professora disse sobre tipos de blogs corporativos, achei muito interessante, e uma boa informação para colocar no A Bordo, então aí vai:

Ao todo são seis tipos de uso de Blogs Corporativos: Comunicação de Marketing, Relações Públicas, Gestão de Relacionamento com Clientes, Suporte ao Cliente, Gestão de Conhecimento e Gestão de Projetos.

O Blog Corporativo classificado como Comunicação de Marketing, é a comunicação entre a organização e o mercado, tem como finalidade disseminar a marca e, por isso, seu conteúdo é sobre seus produtos e serviços.

O Blog classificado como Relações Públicas é dirigido para diversos públicos, se torna a “voz” dos públicos (o típico ombudsman). Seu objetivo é apresentar a empresa, estabelecer o relacionamento com os públicos e promover a reputação da empresa, por isso contém informações da empresa e possui um canal de feedback (atendimento às dúvidas e interesses).

O de Gestão de Relacionamento com Clientes é voltado para o cliente e suas necessidades, difere do Blog classificado como Relações Públicas, pois ele tem como objetivo conhecer os clientes, de forma a integrar dados entre os departamentos em relação às demandas deles (departamento de vendas e promoção, por exemplo). Em seu conteúdo possui dados de cliente e registros de atendimento.

Existe ainda um terceiro Blog Corporativo voltado para clientes, mas diferente dos dois primeiros, é classificado como Suporte ao Cliente, este se difere, pois tem como finalidade fornecer atendimento ao cliente em relação a controle de problemas. Geralmente é um portal de informações técnicas ou base de informações para problemas.

Para os funcionários existe um tipo de Blog chamado Gestão do Conhecimento, seu objetivo é compartilhar, captar e manter informações sobre as práticas e saberes das diversas áreas da organização, e é um meio de feedback para os funcionários.

O sexto e último tipo de Blog Corporativo é o Gestão de Projetos, este é dirigido para a comunicação entre os membros de uma equipe. Seu objetivo é centralizar as informações e ter um melhor acompanhamento do projeto, a fim de agilizar o processo e dar uma visão mais ampla.

Os blogs mal completaram 10 anos de existência e já existem mais de 70 milhões ativos – surgiram em 1997. Hoje o blog é considerado uma boa ferramenta para gerar negócio, porém, temos que tomar alguns cuidados, pois, ás vezes, a organização que gerencia o blog abre para obter informações de clientes e acaba obtendo um resultado negativo não esperado, prejudicando sua imagem.

Mais informações entre no blog do livro Blog Corporativo de Fábio Cipriani.

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Entre o mercado e a academia

Por Carol Terra

Tive o prazer e a honra de ser convidada a blogar aqui no ‘A Bordo’.

Sou blogueira desde 2005 e uma apaixonada pelas ferramentas colaborativas e pela internet. Foi exatamente dessa paixão pela tecnologia e pela comunicação que me surgiu a vontade de ir mais além nos estudos.

Logo que me formei fui trabalhar com comunicação interna e como afeita às novas tecnologias que sou, logo fui me envolvendo na Intranet da empresa. A partir daí, nunca mais parei. Sempre buscava formas de melhorar os processos de comunicação interna via novas tecnologias. Claro que nunca se deixa de lado a comunicação tradicional e os eventos presenciais.

Fiz uma pós-graduação na área de comunicação organizacional e RP. Depois, fui fazer o mestrado e a vontade de pesquisar sobre as novas tecnologias e a sua relação com a

Comunicação Organizacional já estavam consolidadas em mim. Desenvolvi minha dissertação de mestrado em cima desse tema, mais especificamente sobre os blogs corporativos. O que levava uma empresa a se utilizar de uma ferramenta desse tipo para se conectar melhor com os seus públicos.

Fiz pesquisas com blogueiros de oito empresas e daí, além da dissertação, surgiu o livro Blogs Corporativos. Modismo ou Tendência, pela Difusão Editora. Fiz oito estudos de caso, os comparei e mostrei o que tinham em comum.

A base das ferramentas colaborativas é o diálogo, o envolvimento e a transparência entre as partes. Portanto, quem está pensando em levar esse cenário para dentro de uma realidade organizacional deve levar em conta esses princípios.

Para quem está pesquisando na área de comunicação, a minha dica é sempre olhar onde a prática e a teoria se encontram. Nem tanto ao céu, nem tanto ao mar. Não podemos ficar apenas no mundo das idéias, nem somente na prática. O equilíbrio entre a crítica e a prática é essencial para os pesquisadores em comunicação. As maiores dificuldades para os pesquisadores, muitas vezes, é o acesso à prática que, por estar nos ambientes corporativos fechados, pode ter alguma dificuldade de se abrir para o mundo acadêmico.

Agora, sigo pesquisando as redes sociais online e sua relação com a Comunicação Organizacional e com as Relações Públicas. Também sou responsável pelo núcleo de Mídias Sociais da Agência Ideal, dou aula para os cursos de Comunicação Social da Fecap e da UNISA e para a pós-graduação em Comunicação Digital, da ECA-USP, além de manter duas grandes paixões que são o RPalavreando e o meu Twitter.

E sempre que quiserem, estou à disposição no blog, no twitter e via e-mail.

domingo, 20 de setembro de 2009

Resenha do livro Obrigada por Fumar

Por Cibele Silva

A Argumentação é a alma do negócio

O livro Obrigado por fumar, escrito por Christopher Buckley, relata a história de uma grande empresa de Tabaco Norte Americana, tendo Nick Naylor como seu porta voz.

Nick Naylor tenta ganhar a vida convencendo as pessoas que o cigarro não faz mal a saúde, por este motivo é discriminado por diversas facções anti-fumo, no livro chamados por Nick de xiitas.

O lobista, relações públicas, da Indústria de Tabaco participa de diversos programas de televisão para tentar amenizar os problemas com a imagem da organização devido à negatividade de seus negócios quando relacionados a saúde. Embora os programas de televisão sejam caracterizados para desmascarar a Indústria, Nick Naylor sempre tem um bom argumento, sabe profissionalmente persuadir a todos e sempre sai dos programas ganhando. Assim elevando os números de fumantes no país.

Nick é subordinado de BR, gestor que quer colocar a secretária no lugar de Nick. Pela participação de um dos programas de TV, no qual Nick saiu mais uma vez ganhando, neste caso com o sentido literário. Ganhou também a confiança do chefe da industria, o Capitão, consequentemente ganhou a confiança de BR.

Trabalharam juntos, Nick conseguiu uma verba de R$ 5 milhões de doláres para uma campanha anti-tabagismo entre os adolescentes.

Também conseguiu a liberação para trabalhar a imagem do cigarro dentro de filmes, fazendo merchandising.

Tudo ocorria “de vento em polpa”, porém os "inimigos", xiitas, não concordavam com a idéia de Nick Naylor sair manipulando as pessoas. Nick sofre um sequestro. Tentaram o matar com um pouco do próprio veneno, colocaram adesivo para "prevenir" o fumo, o qual tem uma grande quantidade de nicotina, em todo o corpo do porta voz da industria. Mas o feitiço voltou contra o feiticeiro. Nick mais uma vez saiu como o mocinho, se livrou do risco e ganhou mais credibilidade com o público, uma vez que o médico mencionou que o cigarro salvou sua vida, pois ninguém aguentaria tanta nicotina no corpo se não fosse acostumado com ela.

A argumentação é um ponto muito forte na vida de Nick, ele convence a todos com o dom da argumentação - tal fator levou Nick Naylor a Vice Presidente da Academia Americana de Pesquisa sobre o Tabaco.

Mesmo sendo perseguido por Ortolan K. Finistirre, senador e pelos demais opositores, Nick não se deixava abater, usava argumentos como: "Não quero obrigar ninguém a fumar. Estou aqui apenas para divulgar os fatos científicos. É o caso de um relatório recente segundo o qual o tabaco ajuda a recompor a camada de ozônio, prejudicada pelo clorofluorcarbono".

Nick Naylor era um ótimo por voz, defendia sua profissão e o Tabaco com a verdade, a verdade dele, que convencia a muitos. Tratava seus argumentos como verdades inquestionáveis. Tinha grande domínio e firmeza do que estava falando, não restavam dúvidas ao público. O retorno de suas argumentações era sempre positivo.

O livro deixa claro que o poder de persuasão - argumentação é prescindível não somente na profissão de relações públicas, mas em qualquer ramo da comunicação. Profissionais estes que devem valorizar a verdade e a transparência da comunicação com o público. Nick Naylor defendia seus pontos de vistas, não propriamente o correto, temos que ter consciência para similar informação.

sábado, 19 de setembro de 2009

A Força da Comunicação [parte 1]

Por Cibele Silva

Hoje vou começar uma seção de post sobre ‘A força da comunicação’, serão 10 post, mas não serão publicados na sequência. O intuito é mostrar como uma organização pode estruturar para uma boa comunicação, um post complementará o outro.

Recebemos mais de comunicações do que sabemos aproveitar. A tecnologia desta época nos esmaga. Segundo Frank M. Corrado em ‘Um milhão de mensagens por dia’, no pacote de cereais que abrimos todas as manhãs há, em média, 1268 palavras. As empresas privadas produzem mais de 72 bilhões de fotocópios – em plena era do escritório sem papel. O jornal que lemos diariamente contém, em média, 125 mil palavras. Ainda dentro de estatísticas, Luiz Alberto Ferla em seu artigo ‘Socorro! É muito informação’ traz que atualmente bilhões de pessoas recebem pelo menos 1.6 gigabytes de informações e, além disso, uma pessoa que trabalha com computador o dia todo fica 25% do seu tempo procurando informações.

Para se adaptar a este novo ambiente a organização deve reavaliar a maneira como divulga suas informações, inclusive como se comunica com o seu público.

A organização comunica-se de forma perfeita quando os empregados se comunicam de maneira contínua e informal com os escalões superiores, inferiores e de mesmo nível da organização; e quando há comunicação com os empregados, gerentes, comunidade e outros públicos.

O professor e consultor de relações públicas Philip Lesly observou que “a administração hierárquica está cada vez mais orientada para fatos mensuráveis, controláveis pelo computador; para o que é visível e tangível, e não para as variações dos sentimentos e motivações humanas”. Ele prevê que o caminho das comunicações (ou de relações públicas) “provavelmente continua a crescer em números e em universalidade de uso”.

Lesly argumenta que a comunicação cria o tipo de valor que não pode ser medido facilmente – evitar erros, ajudar a administração a entender o “clima humano”, aconselhar a colaboração e o trabalho conjunto em vez do conflito, e criar posições e percepções.

É assim que começamos: especificando os membros da organização que têm responsabilidade de comunicação, a começar de como procurar e de como utilizar as informações que recebemos todos os minutos. É preciso transmitir aos principais públicos da organização, mensagens plausíveis, assim todos precisam compartilhar os sucessos e os fracassos da agilidade de informações.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

O que é Comunicação Mercadológica?

Gustavo Nardo é estudante do 4º semestre de Comunicação Mercadológica (CM) da Universidade Metodista de São Paulo. Hoje na seção ‘extras’ ele veio nos
explicar um pouco sobre seu curso.


Muita gente se pergunta sobre o que é Comunicação Mercadológica e que o profissional desta área faz.

Muito bem - Comunicação Mercadológica abrange todas as áreas da comunicação comercial que seja destinada a divulgação de produtos e/ou serviços, independentemente do meio ou do suporte utilizado e também atua com o merchandising - as promoções de todos os tipos, exposição de produtos na loja e ambiente de compra.

Podemos dizer que é um profissional quase completo, que conhece com propriedade todas as partes do processo de comunicação da empresa com o cliente.

Muitas pessoas confundem esse profissional com os profissionais de Publicidade e Propaganda, isso se deve a semelhança das profissões, porém digamos que o profissional de Comunicação Mercadológica se diferencia por planejar e executar as campanhas.

Vou explicar um pouco da prática.

Uma organização que lançará um novo produto no mercado e contrata uma agência de Comunicação Mercadológica é para montar e executar o plano de divulgação deste produto. O profissional de CM irá através de pesquisas escolher as mídias que serão utilizadas (rádio, TV, jornal, etc), como será o evento de lançamento deste produto, se a empresa quiser até uma estratégia de precificação deste produto poderá ser criada.
Depois do evento de lançamento do produto, a agência irá se dedicar na criação e confecção de materiais para serem usados nos pontos de venda como adesivos de chão, stoppers, totens e etc.

Outro exemplo bem bacana que envolve todo esse processo de comunicação é a Feira Cores & Sabores, realizado pelos alunos do 2º semestre de Comunicação Mercadológica da Universidade Metodista de São Paulo.
Neste evento os alunos escolhem um cliente do setor alimentício para promover nesta feira - ao lado vocês vêm a foto do meu stand, quando realizei o evento - Durante este processo os alunos criam toda a campanha de divulgação do evento como folders, banners e folhetos, além de criar os materiais que serão expostos na feira como totens, banners e cupons promocionais. Dentro do estande criado um “ambiente de compra”, apesar de o produto não ser comercializado de fato.

Este ano a Feira Cores & Sabores será realizada dia 12/11 no campus Rudge Ramos, se puderem comparecer, serão bem vindos.

Espero que eu tenha esclarecido o que faz um profissional de Comunicação Mercadológica.

quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Se você está pronto, pegue um óculos!

Por Aline Derenzi
Sempre pensei que essa realidade estava distante, mas ao observar o contexto em que vivemos percebi que o que era fantasia já virou novidade e está a um passo de ser uma realidade cotidiana. Ao ler a revista Galileu, Edição 218, pude observar alguns pontos.

A tecnologia 3D não vai ficar só em partes de filmes como já estamos acostumados, mas em nossas casas também.
Os filmes 3D invadiram as telonas e nos deixaram vesgos com tanta novidade, mas a maioria desses filmes são desenhos por serem mais baratos e simples de produzir e por serem passados para 3D e não gravados em 3D.
A novidade aqui é que em dezembro será lançado “Avatar”, filme do James Cameron que vai juntar atores com animações tudo já gravado em 3D, o que requer tempo, dinheiro e muita tecnologia, pois nas filmagens tudo tem que estar no lugar certo com a distância certa. Um desafio tanto para os atores quanto para o diretor. James Cameron ainda pretende lançar filmes de drama em 3D.
Outra novidade nos aguarda, a mesma tecnologia vai ser usada pelo diretor Tim Burton na sua nova produção “Alice no país das Maravilhas” que vai ser lançada em 2010.
O 3D saiu da animação para entrar no mundo real e assim esperamos o começo dessa revolução no cinema.

Mas as novidades não param...

Imagine você dentro de um algum game. Isso está cada vez mais perto de acontecer. No final de 2010 será lançado pela Microsoft o Projeto Natal.
Diferente dos outros games, esse não tem controle, é você que controla tudo com seu próprio corpo. Ele possui detecção de movimento e reconhecimento de voz, além de captar a imagem completa do jogador ou objeto e simulá-la tridimensionalmente para dentro do jogo.
Dê uma olhada!



Mas essa invasão não para por ai, sabe o YouTube? Ele também entrou nessa onda.
Agora é possível assistir vídeos em 3D na internet. Claro que para colocar seu vídeo em 3D na Youtube é necessário que ele seja gravado em 3D, como os filmes que citei, o que é difícil de fazer. Porém para quem quer só experimentar basta pegar seus óculos e se divertir com os vídeos.
Neles você pode escolher como quer sua visualização, como exemplo peguei um video que dá para assistir tanto em 3D como em 2D. Mas o legal é assistir com os óculos.



Não acabou ainda...

Quer ver sua programação preferida bem de perto? Em 2014 isso será possivel.
A TV 3D chega no ano da copa do mundo no Brasil e o melhor é que não vai ser preciso usar óculos espacial para poder ver o Kaká bater um bolão.
A imagem irá saltar do seu televisor assim que for ligado e vai encher sua sala com entreterimento e informação.

Hoje o 3D já é utilizado nas animações para propaganda de diversas empresas, mas com essa tecnologia sendo cada vez mais desenvolvida vai chegar ao ponto em que vamos poder provar, sentir, pegar no produto/serviço dentro de casa na hora em que propaganda estiver passando.

Profissionais dessa área sempre estão atentos as novidades e se especializando para poder desenvolver o melhor projeto de criação para seu cliente e a tecnologia 3D com certeza é uma maneira de inovação e criatividade na hora de impressionar o consumidor.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Branding

Por Daniele Pedace

O termo branding é mal compreendido e está sendo usado para explicar qualquer coisa. De uns tempos para cá, em toda parte começou a aparecer o termo branding. Tudo é uma questão de branding: ações de marketing viraram ações de branding, as justificativas de se estourar o orçamento deste mês são um problema de branding, e até algumas agências de design viraram agências de branding.

Mas afinal, o que é branding?

Branding é o conjunto de ações ligadas à administração da marca.

Essas ações levam a marca além da sua natureza econômica. Branding não é fazer com que um consumidor escolha uma marca ao invés da marca concorrente. É fazer com que o consumidor perceba a marca como a única solução para o que ele busca.

Branding é um sistema de comunicação que deixa claro porque a marca importa. É comunicar algo que atraia os consumidores para a marca, ao invés de você ter que caçá-los.

Então por que é importante fazer branding?

Porquê, tendo sua marca, você deve buscar a otimização do valor dela.

Muitas empresas já investiram fortunas em comunicação, sem que suas marcas parassem de enfraquecer, perdessem margens de lucro, participações de mercado e, pior, a confiança dos seus públicos.

Ao iniciar uma consultoria estratégica e de branding, é necessário atuar como orientador da organização, apoiando sua análise e oferecendo suporte em todas as etapas do planejamento estratégico – é preciso atuar na criação, desenvolvimento, administração e comunicação de organizações.

Conseguir o sucesso de uma marca não é tarefa fácil, inúmeros são os elementos e atributos necessários para dar início ao estudo de uma marca.

O mundo está mudando de forma muito rápida, mas todas essas transformações só reforçam a importância e o destaque que as marcas têm e terão no futuro. A marca não deve apenas ser boa de imagem, precisa, sobretudo, desde gerar riqueza, até ter uma a relação honesta e eficaz com o consumidor.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Intranet – interação entre os colaboradores e acesso dinâmicos às informações da organização

Por Cibele Silva


Intranet prêmiada como "Missão Honrosa" em 2008

Na era da tecnologia da informação é mais do que fundamental que toda empresa acompanhe os avanços na comunicação. Empresas que têm essa visão levam novidades que vão além do visual mais agradável e facilidades na navegação, o intuito é alinhar os veículos de comunicação para que a ferramenta reforce o engajamento dos colaboradores.

Segundo informações do artigo sobre intranet de Daniella Morier [Websinder] uma pesquisa realizada pela Prescient nos Estados Unidos demonstrou que os gerentes gastam em média mais de duas horas por dia procurando informações e 57% dos participantes disseram que ter que recorrer a muitas fontes para compilar informações é um aspecto difícil para gerenciar informações. Por este motivo é importante a organização centrar suas informações e compartilhar objetivos, incentivar a inovação e permitir um fluxo livre de idéias na intranet.

Existe o Prêmio Intranet/Portal, desenvolvido pelo Instituto Intranet/Portal, eles são aptos a reconhecerem "casos inspiradores", tem como objetivo profissionalizar e fomentar o mercado de intranets e postais corporativos no país, congregando profissionais, clientes e fornecedores em uma mesma associação", os critérios para a intranet das organizações serem prêmiadas são as intranets que:
- Auxiliam na entegração de legados e facilite o desenvolvimento web baseb;
- torne mais fácil e amigável a recuperação de informação;
- crie canais colaborativos mediados pela tecnologia.

As organizações que ganharam o prêmio em 2008 foram:

- Grand Prix e Categoria Conteúdo: ENSP/Fiocruz
- Categoria Colaboração: Banco Itaú
- Categoria Integração em TI: Banco Central
- Menção Honrosa: Oi


A intranet é uma peça importante para dar mais visibilidade as notícias e aos serviços, também tem a finalidade não somente de integrar o colaborador, mas com todos os departamentos, assim reduzir as barreiras geográficas ao possibilitar a formação de grupos interdisciplinares e melhorar o acesso sobre informações e dados competitivos. Ela reduz custos de operação por haver compartilhamento aos sistemas tradicionais, o colaborador tem mais facilidade de uso, sem necessidade de treinamentos. O importante é a interação do colaborador com o desenvolvimento e as publicações nela realizadas.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Mídia pública – TV Minuto

Por Cibele Silva

Será que se eu contar que sexta-feira passada estava vendo uma notícia sobre a copa de 2014 na TV Minuto do Metrô e passei a minha estação alguém acredita?
Bom, eu não acreditei, mas foi isso que aconteceu, a notícia acabou, olhei para o lado e a minha estação tinha passado.

Na hora eu pensei – “Como algumas informações tão rápidas podem prender tanta atenção” - Resolvi entender um pouco sobre a TV minuto.

A TV Minuto ou televisão expressa, como alguns chamam, está no ar há um ano e leva informações rápidas, concisas e dinâmicas para os usuários das três linhas do Metrô de São Paulo.
As TVs instaladas além de ser uma opção de entretenimento, também são ferramentas importantes de informação para a população, eu mesma algumas vezes saio do metrô e vou pesquisar na internet mais sobre determinado assunto que me chamou a atenção.

A administração atual do metrô busca acompanhar a inovação tecnológica, para atender mais de três milhões de usuários que passam pelo metrô no mínimo cinco vezes por semana e ficam em torno de 32 minutos diários no metrô, segundo informações do portal da propaganda.

As programações são definidas em caráter comercial e dispõe de 30% do tempo de programação para exibir conteúdo institucional, que é de responsabilidade da agência de comunicação do Metrô.

O gerente de Comunicação e Marketing do Metrô Marcello Borg, informa em entrevista concedida a revista “eu, mídia nº 2” que – “É preciso desenvolver uma linguagem própria que se adapte a circunstância em particulares. Uma delas é a ausência de áudio; a outra é a rotatividade da audiência”. Por este motivo as informações devem ser rápidas, concisas e dinâmicas, para prender a atenção do usuário. Eu tenho uma definição simples e rápida, a TV ajuda também é esquecermos o aberto que estamos.

Além de estarem em processo de desenvolvimento para que as notícias saiam em tempo real em todas as linhas, não somente na linha 2 (verde), como é atualmente, o metrô está se dedicando para a expansão do sistema de rede para os celulares, também o usuário poderá ter notícias em tempo real sobre as condições da linha que irá pegar, como estão as plataformas das estações, para que seja possível a programação de alternativas e horários de transporte.

Até o momento, a receptividade do público tem sido bastante postiva. As manifestações que recebemos são quase todas elogiando a iniciativa de instalação das TVs”, finaliza Marcello Borg.

domingo, 13 de setembro de 2009

Tiros, bombardeios, ataques ... GUERRILHA!

Lica Ornelas é a dona da vez na seção "extras" de hoje. Estudante do 6º
semestre de Publicidade e Propaganda da Universidade de Salvador (Unifacs),
estagia no labotório de Rádio de TV da própria Unifacs e é produtora do
Conecta Podcast.



Sim. E estou falando de Propaganda. De Marketing de Guerrilha.

Pra ambientar, é um tipo de ação de marketing que tem o principal objetivo de não ser o que as outras mídias é. Enfim... é a novidade, é a surpresa... é tudo, menos convencional.


Vale de tudo! Uma plotagem criativa, um aplique em prédios, no chão, atores fantasiados (ou não). A única regra é: SER DIFERENTE!
E pra fazer esse tipo de ação, vale de tudo mesmo. Desde superproduções até coisas bem simples e bem baratas.

As empresas estão descobrindo as maravilhas desse tipo de ação e cada vez mais estão investindo. E são empresas de todos os segmentos possíveis. O mercado brasileiro ainda se mostra um tanto quanto tímido, mas já começa a dar sinais de que serã mais um país gurrilheiro.

Não tem contra-indicação e só tem dado bons resultados.


Um exemplo, foi uma ação da Nike, que deu muito o que falar nos Estados Unidos.



Imagina isso no meio da rua?

Outro exemplo foi da marca 'Royal', que mostrou muito bem que com Royal o seu bolo fica realmente grande.



E a idéia é essa: chamar atenção e gerar o burburinho, a conversa, o boca-a-boca. O buz, como é chamado.


Para entender mais sobre o assunto, indico:
Wikipédia, claro!
Entrevista do grupo Frente Marketing de Guerrilha, de Salvador

sábado, 12 de setembro de 2009

Case Riocell - Bom relacionamento com os públicos. Até mesmo se estes forem abelhas

Por Kelly Fusteros

A atividade de relações públicas está permeada de diversos desafios. Imagine obter a boa vontade de todos os públicos de uma organização, principalmente se um deles forem ABELHAS.

A multinacional Riocell, situada no Rio Grande do Sul é produtora de celulose, enfrentou com muita criatividade e inteligência a necessidade de ligação com a comunidade e os problemas causados pelas abelhas africanas, que retiram o néctar dos eucaliptos presentes nos 50 mil hectares da organização.
Esta utiliza de alguns produtos químicos em seus processos industriais, o que gera riscos aos colaboradores e ao meio ambiente em casos de falhas humanas e/ou descontrole dos equipamentos além dos riscos encontrados no corte de árvores para a fabricação da celulose, atribuindo à organização uma imagem negativa perante a comunidade pertencente. O risco do corte se agravou no momento que abelhas africanas passaram a retirar o néctar das árvores, processo em que as abelhas não gostam de interferência humana.

Mesmo com diversos planos de segurança para os funcionários, todos sem êxito, a picada das abelhas causaram um acidente levando a morte um dos colaboradores. Foi neste ponto que a Riocell soube que precisava agir e rápido.

Elaborou um plano de relações públicas em que envolve tanto as abelhas como a comunidade, beneficiando entidades assistenciais através do mel.
Fez um acordo com pequenos empresários apicultores para que estes transportassem as abelhas para outro hectare no momento ideal para o corte das árvores, sem causar danos ao enxame. O pagamento é realizado através de uma quantia de mel à Riocell, que após regulamentação da DINAL (Divisão Nacional de Vigilância Sanitária de Alimentos), passou a ser entregue a Primeira Dama do Estado para doação às entidades assistenciais como a APAE e a CEREPAL (Centro de Reabilitação de Porto Alegre).

Como forma de divulgação, a Riocell distribui mel aos seus funcionários e seus familiares no dia intitulado “Campanha do Mel” e, em outro dia, realiza a doação do mel à Primeira Dama com a presença da imprensa, autoridades e representantes das entidades assistenciais.
Com estas ações, a organização demonstrou-se socialmente e ambientalmente responsável, gerou emprego aos apicultores de sua comunidade, evitou sérios graves acidentes de trabalho e obteve aceitação dos órgãos públicos e assistenciais.
Assim, percebemos a importância de um planejamento criativo para a obtenção de bons resultados, não apenas para a organização em questão como para TODOS os públicos envolvidos.

Não deixe de conferir o Case: “A criatividade de um plano de relações públicas: um caos prático” de Antônio de Lisboa Mello e Freitas.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Lei de Mídia na Argentina – Controle ou Democracia da Comunicação?

Por Daniele Pedace
A Comissão de Liberdade de Expressão da Câmara dos Deputados da Argentina aprovou a realização de audiências públicas em todo o país, para analisar a Lei de Mídia proposta pelo governo e contestada pela oposição e por empresas do setor.

O projeto foi elaborado com base nos 21 pontos propostos pela Coalizão para uma Radiodifusão Democrática, com a contribuição de organizações sociais, profissionais e cidadãs, que participaram dos debates.

A apresentação do projeto lei de serviços de comunicação do governo de Cristina Fernández de Kirchner, no final de agosto 2009 foi o início do debate parlamentar e é uma iniciativa importante, porque envolve a consideração das regras do jogo do sistema que rege os meios de comunicação e seus públicos.

A comunicação é um direito tão fundamental que não só pode ter lugar nas grandes empresas ou políticos, assim, o projeto de lei prevê dividir o espaço radioeletrônico em três partes iguais: uma comercial ou privada, uma pública ou estatal e, por fim, uma terceira destinada às organizações sociais e educativas, como universidades, comunidades locais e igrejas. Isso é razoável, dada a tradicional falta de políticas públicas de comunicação social.

A lei também determina novas regras para a exploração de licenças de acordo com a região. Se aprovada, impedirá que um mesmo conglomerado midiático possua mais de 24 concessões no país.

O debate sobre o projeto desencadeou uma campanha agressiva do principal grupo de mídia cuja posição dominante pode ser afetada se o sistema da mídia for desconcentrado na argentina. Para este grupo o projeto de lei é uma tentativa de disciplinar e calar os meios de comunicação que não se encaixam na lógica do “kirchnerismo” e que ele restringe a liberdade de expressão, de livre associação e a propriedade privada.

A Coalizão para uma Radiodifusão Democrática, por sua vez, disse que não há possibilidade de garantir a democracia política sem democratização da comunicação, que há necessidade e urgência de uma nova lei para substituir a lei da ditadura, para terminar com o processo de concentração e transnacionalização dos meios.

Agora é a oportunidade de discutir a regulamentação dos meios de comunicação como uma necessidade – que na Argentina tinha sido posto fora da democracia durante várias décadas. O debate no Parlamento apenas começou e seu destino será determinar o futuro do sistema de mídia na Argentina.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Empresas Brasileiras - Indústria de tabaco Souza Cruz

Por Cibele Silva


A Souza Cruz Tabaco é uma empresa brasileira, que produz, vende e exporta cigarros, foi fundada no dia 25 de abril de 1903, pelo Albino Souza Cruz, com o sucesso, em 1910 a Souza Cruz comprou a grandiosa fábrica de Rapé Paulo Cordeiro, nas matas da Tijuca/RJ.

A Souza Cruz é uma sociedade anônima de capital aberto, composta exclusivamente de acionistas, o acionista controlador é uma empresa do grupo Souza, a British American Tabacco, com cerca de 13% de participação no mercado global, realizando negócios em mais de 180 mercados nacionais. È uma grande organização e uma empresa de economia globalizada, sua base principal é construir relacionamento com interessados e procurar compreender e considerar as necessidades de todos os segmentos direta ou indiretamente em seus negócios.

Segundo
site da empresa, desde sua criação ela se consolida na credibilidade do mercado de capitais, como tradicional pagadora. A empresa tem liderança absoluta no mercado brasileiro de cigarros, com 62,1% de mercado. Atualmente a Souza Cruz possui 1.086 motoristas espalhados pelo Brasil.

A Souza Cruz possui uma complexa e sofisticada rede de distribuição que atende diretamente mais de 247 mil varejos, posicionando-se como referência internacional em bens de consumo de massa.

No Brasil, além de ser a segunda maior produtora de tabaco do mundo, é o líder na exportação mundial. Cerca de 85% do fumo produzido no Brasil é destinado à exportação, cerca de 688 mil toneladas de fumo foram exportadas em 2008. Os impostos e taxas sobre o tabaco são a maior fonte de receita para quase todos os governos.

A Souza Cruz tem um jornal interno que “No ar – a nossa voz” que deixa os colaboradores a par de tudo o que está acontecendo dentro da organização no Brasil e no mundo. No último exemplar o presidente da empresa, Dante Letti, fala da prática de sustentabilidade da empresa, que atuam de forma responsável junto à sociedade, com relacionamento com diversos públicos. Os programas de responsabilidade completam as vendas e consumo consciente para os adultos que decidem livremente fumar marcas da Souza Cruz.

Na era da informação e tecnologia a Souza Cruz tem como fundamental acompanhar os avanços na comunicação, leva para seus públicos visibilidade para as notícias da empresa e os serviços que ela oferece.

A empresa tem o Instituto Souza Cruz, que está comemorando 9 anos, dentro deste tempo cerca de 240 jovens receberam formação, também 130 jovens devem em breve, concluir cursos realizados em cinco territórios – Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Centro Sul (PR) e Caminhos do Tibagi (PR). Além disse tem parceria com ONGs de todo o país estão em desenvolvimento, como o Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira.

Costumo trazer destaques das empresas brasileiras, que ficam “atrás dos bastidores” e muitos de nós não conhecemos, mas para conhecer uma empresa afundo só trabalhando nela ou com ela.
Então, para finalizar deixo aqui registrado que a Souza Cruz está com seu programa de trainee aberto, a empresa vem intensificando a participação em feiras de recrutamento, vem apresentando cases de sucesso em instituições de ensino, os representantes da Souza Cruz procuram transmitir as características que tornam a Companhia especialmente atraente.

A Souza Cruz é uma empresa polêmica de se trabalhar, conforme Aldo Toledo diz a entrevista concedida a revista
Você s.aMuitos me perguntaram se eu teria que começar a fumar para trabalhar lá. Até um professor me questionou sobre os motivos da minha escolha”, mas mesmo com todos os questionamentos Aldo foi até o fim “Não vejo problema em trabalhar em uma empresa de tabaco. A Souza Cruz fala claramente que o produto oferece riscos, mas se dirige ao público adulto, que escolhe fumar conscientemente” finaliza Aldo que entrou na Souza Cruz como trainee e hoje é coordenador do financeiro.