domingo, 6 de dezembro de 2009

Especial Relações Públicas - Considerações finais

Por Cibele Silva


Sua Escolha é o meu futuro



Final de semestre, entrega do projeto integrado (PI), férias do trabalho, final das provas. No dia 01/12 eu já estava bem aliviada com a pressão do semestre, estava pensando em muitas coisas.

No dia 02/12, mais conhecido aqui por #DiadoRP me fez parar para pensar como eu estou apaixonada por Relações Públicas e também como isso aconteceu em poucos meses.

E quero dividir um pouco dos meus 'pensamentos' com vocês.

Tudo aconteceu este ano, quando a professora Claudia Nociolini Rebechi nos passou a atividade de criar um blog para escrevermos sobre Comunicação Organizacional.

Em seguida a professora fez a indicação de um Congresso – ABRAPCORP – no qual eu participei.

Lá na ABRAPCORP teve a oficina do Rodrigo Cogo (@rprodrigo), eu não participei, pois já tinha lotado quando fui me inscrever. Mas em um determinado momento ele estava sentado conversando com alguns alunos falando do seu site – mundorp – ali eu já comecei a me interessar mais sobre as redes sociais.

Ainda na ABRAPCORP comprei um livro que me fez pesquisar sobre o mundo dos blogs, é o livro da Carol Terra (@carolterra).

Passado o primeiro semestre de 2009 o blog continuou mesmo sem acompanhamento acadêmico, passou algum tempo, confesso que não estava tão motivada. Falar sobre RP, trabalhar, estudar, fazer curso de inglês e de web não estava fácil.

Foi onde o reconhecimento e a visibilidade começou a aparecer para o A Bordo. Aqui entra o Pedro (@baldurquino) onde no dia 14 de agosto começou a fazer o “Melhores Posts de RP da semana” e logo na primeira edição o A Bordo estava lá n lista. Claro, foi somente uma força para continuarmos.

Auge do semestre, não sabendo mais o que fazer para conciliar tudo, foi com a Márcia Ceschini (@marciaceschini) que eu aprendi a ‘ajustar’ o meu tempo e acreditar no meu potencial.

E para ajudar o Fábio Albulquerque (@fabioalbukerk) passou a me dar uma ajudinha com os meus texto, também acreditou no meu potencial, me chamando também para fazer parte do GECORP.

Isso tudo aconteceu em 7 meses. Estou estudando Relações Públicas há 2 anos, mas em 7 meses eu descobri a profissão, descobri o carinho que muitas pessoas fizeram eu ter por ela.

Parando para pensar vi que não tive motivos para escolher Relações Públicas, entrei sem ser apaixonada ou pelo menos saber o que faz um RP de fato, mas escolha, no passado, das pessoas que citei acima, fez e faz o meu futuro.

Escolhas simples como do Rodrigo Cogo – “os testes vocacionais indicavam Comunicação (...) “Fiz análise do conteúdo programático e escolhi RP.

Escolha determinada como a da Carol “Escolhi RP no segundo colegial porque amava grandes shows e eventos, depois, no terceiro colegial, após uma viagem de formatura, conheci o RP de um hotel e vi que as possibilidades eram mais amplas do que eu imaginava. Me apaixonei!"

Ou escolha mais parecida com a minha, é a da Márcia – “eu tinha acabacado a licenciatura plena de Letras (Port/Inglês) e vi que minha praia era comunicação. Li o manual da UNESP e prestei RP por prestar”

Até as escolha mais complexa como a do Pedro que estava em dúvida entre Física e jornalismo (hehe) – “(...) gostava de escrever, mas não no sentido jornalístico, por isso pensava na possibilidade da redação publicitária. Não sabia direito o que era RP lá para 1 ano de faculdade, quando um prof de RP (Márcio Simeone) me chamou p/ ir pro Jequitinhonha num projeto. Era pra falar com o pessoal da prefeitura de uma cidade sobre a implantação de rádios comunitárias, pq eu tava mexendo com isso junto com uns colegas aí ao longo da viagem fui conversando com ele e daí sim entendi que essa mistura que eu não entendia que era nem jornalismo. nem PP era RP :)”

Ou a tão complexa quanto, que é do Fábio “Eu fiz RP literalmente por acaso. Foi coisa do destino. Tem uma frase do escritor Josué Montelo que eu gosto muito. Ele diz que "O destino compõe seus romances". E foi isso que aconteceu comigo. Queria fazer Publicidade e na Federal só tinha jornalismo e RP. Daí ia fazer RP. Naquela época você escolhia no 3º período qual habilitação iria fazer. Só 2 pessoas da minha turma iriam fazer RP. Daí a turma implorou para que nós fizéssemos jornalismo, para não desagrupar. Acabei indo para jornalismo.

No ano seguinte fui servir o Exército e só poderia estudar a noite. Foi quando o curso de RP passou a ter vestibular próprio e mudou para o turno da noite. Então, assim, por acaso, fui parar no curso de RP. O qual, tenho certeza, foi coisa do destino mesmo. E sou grato por isso ter acontecido na minha vida”.

Falando no dia 02/12, com alguns alunos descobri que a maioria escolhe RP pelo relacionamento, como postei no “Especial RP”, conversando com os já formados que de uma certa forma estão presentes na minha vida – constatei que o futuro da Relações Públicas vem das escolhas do passado.
E claro, que ter um #DiadoRP com a colaboração e dedicação de muitos, me fez valorizar ainda mais a profissão e estou contente por ter participado dele.

9 comentários:

Marcia Ceschini disse...

Belle,

RP nem sempre é nossa primeira opção, principalmente qdo não a conhecemos... mas depois vira paixão e caso profissional.
Que bom saber que lhe ajudei em alguns passos.

;D

beijocas.

Rodrigo Cogo disse...

Minha escolha por RP aconteceu em 1989, portanto há 20 anos atrás. A gente não tinha esta interpelação social em torno da busca da profissão, e também não tinha o rigor de análise que hj também aos adolescentes se cobra ter. Mas ainda bem que escolhi. Absolutamente não me vejo fazendo outra coisa.

Como estou há muito tempo na estrada, já acabei influenciando algumas pessoas, muito embora eu sempre deixe claro que cada um faz sua história de vida, sua remuneração, sua satisfação profissional, seu desenvolvimento de talentos. Já foram dezenas de conversas por email que resultaram em inscrições no Vestibular e hoje em excelentes profissionais, o que me deixa - pra dizer o mínimo - muito muito feliz. Por mim e por eles.

A Bordo disse...

É verdade Marcia, no primeiro ano que eu prestei vestibular eu prestei para direito... hehe
No ano seguinte qdo eu falei que ia prestar RP os professores (do objetivo) ficaram super felizes, pois falaram que é 'bem mais a minha cara', isso me motivou bastante tbm.

Rodrigo, eu procurei demais, mas não achei, eu lembro que eu escrevi na comunidade - Relações Públicas - que vc e o Pedro mediam (hj eu sei disso.. rs), mas lembro que vc escreveu bastante sobre RP e conversamos pelo o orkut um bocado, mesmo antes de saber quem eram vcs já tinham me ajudado!
=]


Abraços,
Belle

Carol Terra disse...

Belle, parabéns pelo trabalho que vc e o pessoal d´O Cappuccino vem realizando. Jovens como vcs é que são o futuro da nossa profissão e me sinto orgulhosa em acompanhá-los. Beijos, Carol Terra

Pedro Souza Pinto disse...

Hehehe, avisa aí pro pessoal que aquilo ali que eu escrevi é um resumo de um chat escrito correndo, senão vão pensar que eu "gostava de escrever" mas nunca aprendi! hehehe.

Mas adorei o post. No final, a escolha profissional, como todas as escolhas na vida, é algo muito peculiar de cada pessoa. São motivos diversos para cada um que levam ao mesmo ponto. O que importa é descobrir satisfação nessa escolha - mesmo que não tenha sido a primeira, ou mesmo que só se descubra a satisfação depois de uma escolha incerta.

E fico contente de saber que tive alguma influência nessa sua descoberta :) Isso também motiva a gente.

Abraço!

Priscila Borges disse...

Gostei muito do seu texto, na verdade, da sua declaração de amor....Rp é uma paixão, um amor incondicional. A gente faz de tudo. Até ser secretária (desempenhando atividades de RP, ja fiz).
Gosto muito de seguir vocês e ver a profissão crescendo a cada dia.

A Bordo disse...

Carol, nós do A Bordo e 'nós' (sim tenho orgulho de fazer parte das duas equipes rs) d'Ocappuccino temos satisfação de contribuir para a profissão, tentamos fazer o melhor trabalho, com o acompanhamento de vocês, fica melhor ainda.

Haha.. verdade Pedro.
Deixo claro que a maioria das declarações acima foram realizadas atráves de mídia expontânea (bate-papo) e eu dei uma resumida. Pq história como a do Fábio e do Pedro não caberiam em um post.. hehe

Priscila, pensando por esse lado, realmente foi uma declaração de amor, estou realmente amando fazer Relações Públicas, isso que eu não atuo na área, não estou falando ainda de mercado, somente de tudo o que eu aprendo na faculdade e aqui na rede com vocês.
Fico contente de saber deste acompanhamento. Tudo se torna fator de incentivo.

Abraços,
Belle

Alexandre disse...

Belle,

Mais uma vez parabéns pelo trabalho. Realmente as escolhas acontecem de maneiras variadas.
Com certeza, você já é uma profissional.
Boa sorte! E, conte sempre com agente.
Abraços.

Fábio Albuquerque disse...

Minha cara Cibele. Parabéns pelo post. Faço minhas as palavras da Carol Terra. Jovens como vocês são o futuro da nossa profissão e tenho orgulho em acompanhá-los. Espero que continue sua jornada pelas redes sociais dando cada vez mais força a atividade de Relações Públicas.
Conte comigo!