segunda-feira, 20 de julho de 2009

Entrevista com o Professor Fábio França


Hoje o blog A Bordo da Comunicação traz uma entrevista exclusiva realizada por mim ao professor Fábio França, ele é doutor em Relações Públicas pela Universidade de São Paulo. Felizmente esse grande nome da Relações Públicas é professor e coordenador do Núcleo de Produtos da Agência Experimental de Relações Públicas da universidade em que estudo, Metodista. Além de ser autor de muitos livros sobre Relações Públicas.



A Bordo da Comunicação: Em estudo sobre conceito público, tratando-se do conceito polissêmico - dentro de Relações Públicas - , o senhor pode falar sobre a necessidade de definir as inter-relações da organização e seus públicos?


Professor Fábio França: A primeira e fundamental obrigação de qualquer organização é conhecer os públicos com os quais ela interage, para os quais envia suas mensagens e com os quais se comunica de maneira permanente ou ocasional. Sem públicos não há organização. Uma das falhas mais freqüentes dos comunicadores é criar programas de comunicação sem direcionamento para um público específico, mas apenas para públicos em geral. Para se relacionar e comunicar com alguém de maneira eficaz, você precisa conhecer essa pessoa em profundidade: seu perfil, sua cultura, suas crenças, seus interesses etc. Na inter-relação com os públicos é preciso conhecer o perfil de cada público, o tipo de relacionamento que se quer manter com ele, o objetivo desse relacionamento, o nível de envolvimento desse público com a organização, as expectativas da organização diante dos públicos e as expectativas dos públicos em relação a ela.
Continua sendo muito estranho que muitos profissionais façam programas de comunicação sem saber a que públicos estão se dirigindo!!!



A Bordo da Comunicação: O senhor pode nos falar um pouco sobre os valores que os blogs coorporativos trazem para as organizações?


Professor Fábio França: As organizações têm hoje a sua disposição múltiplas formas de comunicação online, de estabelecimento de relações sociais e outras formas como os blogs. Pela sua natureza, representam uma forma ágil e dinâmica de comunicação, que exige uso correto da tecnologia e gente responsável pelo seu planejamento técnico, editorial, desenvolvimento, e atendimento aos questionamentos ou posicionamentos de quem os acessam. Os blogs representam um instrumento importante e de valor para a organização manter uma comunicação efetiva com as pessoas que se interessam por ela, seus produtos/serviços, ou que podem vir a se interessar. Como na Internet, você lida com audiências e não públicos, o blog funciona como fonte imediata de informação sobre a empresa para dizer o que é, o que faz, como quer ser conhecida e também saber como é percebida por quem chega a ter contato com ela online. Os blogs chamados corporativos são importantes porque oferecem à empresa oportunidade de acompanhar as manifestações sobre ela no mundo virtual e de responder prontamente à divulgação incorreta do que faz, corrigir distorções a seu respeito e até a defender-se de eventuais ataques que podem lhe ser feitos.


A Bordo da Comunicação: O senhor pode nos falar um pouco sobre o impacto da globalização dentro das mídias e qual é a postura que nós, Relações Públicas, devemos ter para evoluir com as tendências?


Professor Fábio França: A globalização, aliada ao surgimento da tecnologia da informação, criou um mundo midiático totalmente novo, imenso, inusitado para a maioria das organizações e de muitos profissionais da área. A infinidade de recursos, a rapidez da transmissão de informações, a queda da hegemonia da mídia etc, são fatos atuais, que interferem e podem modificar a vida não só das empresas, mas de cada um de nós, mas são ainda mal absorvidos pelas empresas e mal utilizados pelos comunicadores sem mentalidade global e sem conhecimento dessa tecnologia. Sem planejamento, competência, recursos humanos, investimentos, visão da amplitude das novas mídias ao alcance de todos e visão de futuro, nada acontecerá. Por si sós esses recursos não fazem milagres. As Relações Públicas devem se desenvolver em sua função estratégica de contribuir para que as organizações conheçam seus públicos, relacionem de maneira correta e interativa com eles, sejam bem informadas para a tomada de decisões, estabeleçam um sistema de comunicação simétrica de duas mãos com seus públicos, ouçam suas indagações e estabeleçam com eles um diálogo produtivo. Não basta apenas conhecer os paradigmas instrumentais da comunicação, os relações-públicas devem conhecer e dominar o uso da tecnologia e também as características de cada um desses recursos para utilizá-los de maneira efetiva e com resultados.


Eu, Cibele, em nome de nossa equipe agradeço a atenção e disposição do professor Fábio França em me atender.


2 comentários:

Ocappuccino disse...

Parabéns Cibele.

Excelente material. O fato mais curioso foi a afirmação do professor 'Como na Internet, você lida com audiências e não públicos'. Interessante esta definição.

Abraços,
Mateus d'Ocappuccino

Michele disse...

Parabééns pelo trabalho gente!
Está ótimo e muito interessante!

Um beeeeijo,
Michele Nunes