sábado, 11 de julho de 2009

Quem vê cara...vê coração!


Com grande potencial acumulado aquele pacotinho pendurado na prateleira do mercado, está ganhando uma nova atenção para aproximar seu público e para garantir a qualidade de seu produto na finalização da imagem que é a embalagem.

Estudos feitos pela Associação Brasileira de Embalagens (ABRE), dizem que o Brasil é o terceiro maior país a lançar embalagens, com o intuito de aproximar muito mais seu cliente, do que simplesmente proteger seu produto. E ainda é considerada uma mídia adicional no que diz respeito ao seu investimento, pois, seu valor é agregado à produção da embalagem.
Grandes organizações já utilizam para complementar os conceitos da sua imagem e também da produção do produto, como por exemplo, ações sustentáveis, dicas de utilização, informações adicionais, divulgações de parceiros e etc.

A “Ruffles”, fabricante de batata-frita, utilizou-se de uma ferramenta interessante para atrair seu público jovem. Criou dois tipos de embalagem com produtos e sabores diferenciados, feminino e masculino. Estudos aprofundados em estilos de meninas e meninos, formaram características do produto padronizadas ao sexo.

O objetivo pode ser muito amplo, resta a nós, profissionais da comunicação, trabalhar esse tipo de mídia muito mais interpretativo do que simplesmente mercadológico.


2 comentários:

A Bordo disse...

Primeiro parabéns pela postagem!
Legal a pesquisa e concordo que temos que interpretar que o público deseja.

Agora digo, com muito prazer, seja bem vindo de volta ao blog, fico feliz de continuar o trabalho conosco.

Abs,
Cibele

Ocappuccino disse...

Com certeza. Li uma reportagem na revista Amanha, legal que embalagens no varejo surgiram fortemente logo após a segunda guerra e com o aumento do poder aquisitivo da classe media aumentou a sensibilidade critica, ninguem queria mais ir no secos e molhados e trazer um quilo de feijão em qualquer jornal enrolado, queriam um recipinte adequado e assim foi o boom das embalagens. E nem sempre inovar em desing ou novos modelos é o acertado, pois o consumidor quer encontrar o mesmo produto no interior daquela embalagem e se muda a 'cara' ele já não se sente tão seguro, é o caso da centenário pomada minancora que em sua trajetória mudou apenas o material da embalagem, agora é pvc, mas as cores e o design permancem quase identicos à original, para que o consumidor saiba que o 'coração' tambem é o mesmo.

Ficou legal o novo design do blog, só para ficar registrado.

Abraços,
Mateus d'Ocappuccino