sábado, 21 de novembro de 2009

Comunicação Interna, uma questão de Sustentabilidade

Por Danilo Marinho

Hoje abordo um tema que antes nunca havia comentado, mas que sempre me chamou atenção: comunicação interna. Ao discorrer sobre essa temática me lembro logo daqueles informativos super personalizados, contendo diversas informações de caráter institucional, cultural, econômico e social.

Não sou contra a esse tipo de abordagem, pelo contrário, é de fundamental importância e totalmente estratégico. Tanto que no último dia 28 de outubro em São Paulo o Seminário de Endomarketing da International Bussines Comunications/IBC debateu as dificuldades de se encontrar o melhor caminho e as melhores ferramentas para obter sucessos em ações internas.

É sabido da maioria dos profissionais de comunicação que, dentro do âmbito corporativo, colaboradores bem informados e motivados tem melhores condições de elevar a organização a um nível de produtividade, inovação e, sobretudo, competitividade dentro do mercado. Mas o que de fato é a comunicação interna? Comunicação Interna, para a conselheira fiscal da Associação Brasileira de Agências de Comunicação/ABRACOM e diretora da Klaumon Forma, Claudia Zanuso, é o sistema de comunicação entre a organização e seu público interno.

Neste ínterim, pressupõe um sistema de mão-dupla estruturado, dinâmico e pró-ativo. Entre os objetivos deste segmento está difundir a visão, a missão e os valores, ampliar e harmonizar o diálogo entre o capital e o trabalho e valorizar o funcionário como importante formador de opinião positiva. “Está mais que na hora de sair da atuação tática, porque nosso trabalho é muito mais de planejamento. É preciso conquistar este espaço”,

Não obstante da nossa realidade o mercado já permite a abertura de nichos de mercado voltados para esse tipo de relacionamento, como a Serifa Comunicação Empresarial que presta serviços em comunicação interna para organizações.

No entanto, a comunicação sempre foi a base dos relacionamentos humanos seja na esfera virtual ou pessoal. Mas, quando se trata de comunicação de grandes empresas, existe uma grande diferença entre a comunicação realizada por elas e as realizadas pelas médias, pequenas e micro empresas.

Mais recentemente as mídias sociais se tornaram grandes aliadas na gestão de relacionamento com o público interno. O portal Comunicação Interna Brasil elenca 10 itens que devem ser considerados quando a tônica é engajar seus colaboradores às estratégias da organização. São eles:

· Comunicar e interagir com os funcionários através de mídias sociais

· Fazer da comunicação interna um ponto-chave para a difusão da estratégia empresarial

· Comunicar-se com diversos tipos de públicos

· Comunicar e engajar internamente a responsabilidade social

· Disseminar a nova cultura organizacional em um processo de aquisição

· Utilizar canais da web para a comunicação em diversas plantas pelo Brasil

· Engajar os colaboradores frente às campanhas de mudanças organizacionais

· Tornar a comunicação interna parceira da área de vendas

· Construir canais simples e funcionais de comunicação

· Fazer a comunicação com o apoio de líderes comunicadores

Tudo isso me levou a refletir em outro ponto bastante relevante para a atualidade: Sustentabilidade. Falar de colaboradores implica, por extensão em falar de comunidade. Isto mesmo! Penso que para se desenvolver estratégias de comunicação voltadas para o público interno, não apenas o interesse organizacional deve ser levado em consideração, mas também aspectos extra-organizacionais como cultura e a realidade sócio-econômica dos seus funcionários. É o capital humano que regeria o planejamento de tais estratégias, partindo de ações isoladas de indivíduos para a coletividade. Os colaboradores estão inseridos socialmente numa comunidade como comenta PONTIEUX:

“Estar socialmente inserido no grupo significa, para o indivíduo, a busca de proveitos materiais e simbólicos e, entre os membros, implica na transformação das relações contingentes (vizinhança, trabalho parentesco), necessárias e escolhidas, implicando obrigações duráveis subjetivamente acompanhadas de sentimento de reconhecimento, respeito e amizade, ou garantidas institucionalmente”. (PONTIEUX, 2006, p. 46).

Comunicar-se com os diversos tipos de públicos é, em sua essência, tratar do desenvolvimento sustentável, isto é, aplicar os princípios da responsabilidade social. Em outras palavras: fazer comunicação interna é desenvolver ações de responsabilidade social. Como já diz alguns autores, responsabilidade social não é apenas plantar algumas árvores, em áreas desmatadas, ou garantir o alimento de crianças carentes. Mas também pagar o salário dos funcionários em dia, cumprir com suas obrigações sociais, políticas, financeiras, culturais e tantas outras. Temas estes sempre abordados em informativos de circulação interna, intranet, jornais, murais, quadro de avisos, ferramentas mais usuais na construção de um diálogo mais eficaz com o público interno.

Portanto, esse ativo vem ganhando mais relevância dentro das organizações como fator determinante, por está baseado na confiança e reciprocidade, premissas básicas para o desenvolvimento de uma cultura organizacional fortalecida através da Comunicação Interna.

6 comentários:

Ocappuccino.com disse...

Ótimo texto Danilo. Tratar CI de forma estratégia é posicioná-la como Responsabilidade Social, concordo.

Deixo o link de um texto que li ontem no blog do Gaulia: 'Como a comunicação mensura o entusiasmo da equipe?' http://bit.ly/6AaDCB

MATEUS

Clube do RP de Pernambuco disse...

Grande Mateus,

Vou acessar o link. o Gaulia tem ótimas ideias. E obrigado!!

Abraços

P.S. Tudo indica que até o final de Janeiro estarei no RS

Priscila Borges disse...

Parabéns pelo texto.

Muito bom ter acesso a um conteúdo como esse.

Priscila

danipedace disse...

Gostei do post....bem legal...

Realmente, implementar a Responsabilidade Social dentro das organizações é muito importante..

Daniele, A Bordo.

Natalya Nunes disse...

Parabéns pelo texto, Danilo.
Muito bom.

O tema também é muito interessante.
A comunicação possui várias vertentes e é um resultado que vem " de dentro pra fora".
É importantíssimo cuidar da comunicação interna para passar uma imagem positiva externamente.

Anônimo disse...

Olá Danilo! parabéns pelo post!

Vc toca três pontos chaves que toda organização deve levar seriamente em conta: sustentabilidade, capital humano e social! A respeito deste último, CAPITAL SOCIAL, que é nosso enfoque principal na Tree Branding, retomo seu último parágrafo, pois é justamente através dos relacionamentos, que começam dentro da empresa, baseados em CONFIANÇA e RECIPROCIDADE, que em primeira e última instância sustentam a reputação organizacional e a sua Marca. Como menciona a Natalya, o "resultado" como o processo tem que ser "de dentro para fora". De nada adianta uma campanha de endomarketing ou mesmo de Marketing que não esteja respaldada na Cultura Organizacional e cujas redes de relacionamento internas não estejam baseadas na confiança e reciprocidade.. será um discurso vazio ou mais um apelo meramente publicitário que não adiciona valor nem ao desenvolvimento organizacional nem à Marca. Abraços e seguimos em contato, shalla