quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Empresas Brasileiras - Indústria de tabaco Souza Cruz

Por Cibele Silva


A Souza Cruz Tabaco é uma empresa brasileira, que produz, vende e exporta cigarros, foi fundada no dia 25 de abril de 1903, pelo Albino Souza Cruz, com o sucesso, em 1910 a Souza Cruz comprou a grandiosa fábrica de Rapé Paulo Cordeiro, nas matas da Tijuca/RJ.

A Souza Cruz é uma sociedade anônima de capital aberto, composta exclusivamente de acionistas, o acionista controlador é uma empresa do grupo Souza, a British American Tabacco, com cerca de 13% de participação no mercado global, realizando negócios em mais de 180 mercados nacionais. È uma grande organização e uma empresa de economia globalizada, sua base principal é construir relacionamento com interessados e procurar compreender e considerar as necessidades de todos os segmentos direta ou indiretamente em seus negócios.

Segundo
site da empresa, desde sua criação ela se consolida na credibilidade do mercado de capitais, como tradicional pagadora. A empresa tem liderança absoluta no mercado brasileiro de cigarros, com 62,1% de mercado. Atualmente a Souza Cruz possui 1.086 motoristas espalhados pelo Brasil.

A Souza Cruz possui uma complexa e sofisticada rede de distribuição que atende diretamente mais de 247 mil varejos, posicionando-se como referência internacional em bens de consumo de massa.

No Brasil, além de ser a segunda maior produtora de tabaco do mundo, é o líder na exportação mundial. Cerca de 85% do fumo produzido no Brasil é destinado à exportação, cerca de 688 mil toneladas de fumo foram exportadas em 2008. Os impostos e taxas sobre o tabaco são a maior fonte de receita para quase todos os governos.

A Souza Cruz tem um jornal interno que “No ar – a nossa voz” que deixa os colaboradores a par de tudo o que está acontecendo dentro da organização no Brasil e no mundo. No último exemplar o presidente da empresa, Dante Letti, fala da prática de sustentabilidade da empresa, que atuam de forma responsável junto à sociedade, com relacionamento com diversos públicos. Os programas de responsabilidade completam as vendas e consumo consciente para os adultos que decidem livremente fumar marcas da Souza Cruz.

Na era da informação e tecnologia a Souza Cruz tem como fundamental acompanhar os avanços na comunicação, leva para seus públicos visibilidade para as notícias da empresa e os serviços que ela oferece.

A empresa tem o Instituto Souza Cruz, que está comemorando 9 anos, dentro deste tempo cerca de 240 jovens receberam formação, também 130 jovens devem em breve, concluir cursos realizados em cinco territórios – Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Centro Sul (PR) e Caminhos do Tibagi (PR). Além disse tem parceria com ONGs de todo o país estão em desenvolvimento, como o Intercâmbio da Juventude Rural Brasileira.

Costumo trazer destaques das empresas brasileiras, que ficam “atrás dos bastidores” e muitos de nós não conhecemos, mas para conhecer uma empresa afundo só trabalhando nela ou com ela.
Então, para finalizar deixo aqui registrado que a Souza Cruz está com seu programa de trainee aberto, a empresa vem intensificando a participação em feiras de recrutamento, vem apresentando cases de sucesso em instituições de ensino, os representantes da Souza Cruz procuram transmitir as características que tornam a Companhia especialmente atraente.

A Souza Cruz é uma empresa polêmica de se trabalhar, conforme Aldo Toledo diz a entrevista concedida a revista
Você s.aMuitos me perguntaram se eu teria que começar a fumar para trabalhar lá. Até um professor me questionou sobre os motivos da minha escolha”, mas mesmo com todos os questionamentos Aldo foi até o fim “Não vejo problema em trabalhar em uma empresa de tabaco. A Souza Cruz fala claramente que o produto oferece riscos, mas se dirige ao público adulto, que escolhe fumar conscientemente” finaliza Aldo que entrou na Souza Cruz como trainee e hoje é coordenador do financeiro.

5 comentários:

Ocappuccino disse...

Deve ser muito delicado trabalho no marketing ou na comuicação de uma indústria de tabaco. Ela apoia Ongs mas eaí (?) o cigarro mata, causa câncer. Que problemão.

Aqui no RS poucos setores industriais passaram pela crise bem, e a de tabaco, incrivelmente, foi um destes. Apesar destas leis que agora vigaram em algumas cidades proibindo fumo em lugares fechados. Que interessante isso, até valeira um estudo mais aprofundado. Mas aqui sugiro uma campanha que vi hoje neste blog sobre cigarros, é uma campanha genial da escala feita pra unimed http://giselerebelo.wordpress.com/

mateus

Cibele Silva disse...

Obrigada pela indicação Mateus, adorei a iniciativa da Unimed, show de bola.

Sobre trabalhar na comunicação da Souza, - vamos lá - a seção "empresas brasileiras" tem o intuito de divulgar as empresas, para os leitores conhecerem conhecer mais algumas empresas que "somos clientes", mas muitas vezes desconhecemos o trabalho. Não defendo nem crítico diretamente as empresas que coloco aqui, mas tenho uma certa simpátia pela empresa Souza Cruz, então vou colocar alguns pontos de vista que acho interessante. O departamento de comunicação da Souza Cruz (Cora), fica no RJ e eu percebo que eles trabalham bastante essa imagem, para os colaboradores e públicos mais ligados à Souza, o que temos em mente - O cigarro mata?! Mata, mas a Souza tem uma campanha conscientização do uso moderado (tá pode não valer nada, mas já é alguma coisa), enfim, vejo que o foco da Souza é colocar a economia no meio.
Mateus, diferentemente do RS (não sei se está se baseando em alguma empresa), a Souza Cruz quase não ocilou na bolsa de valores com crise - de R$ 47 foi para R$ 45 e hoje está novamente R$ 47, enquanto a petrobrás chegou a ficar com R$ 18 e hoje ainda não voltou ao normal com aproximadamente R$ 35.
Também, mesmo com o crise a Souza teve um lucro de R$ 9 bilhões em 2008.

Sim o cigarro mata, mas é uma 'droga' legalizada, logo a Souza não está fazendo, em partes, nada de errado. A responsabilidade social empresarial tornou-se um fator de avaliação e preferênca para investidores e consumidores e a Souza faz o seu papel.

Acredito que seja dificil sim trabalhar do Cora, mas eu adoraria o desafio, admiro muito o sistema de gestão da Souza Cruz.

Abraços,
Belle
(A Bordo)

Aline Derenzi disse...

Nossa a Souza Cruz é muito mais do que eu esperava. Admiro empresas que agem com transparência e valorizam seus públicos ainda mais quando se é uma empresa que seu produto tem tantas complicações como o tabaco.

Abraços,

Paulo Araújo disse...

Deve ser um trabalho delicado, sim, e a pessoa tem que ser mente aberta para trabalhar lá sem crises. Sobre o apoio às ongs... eu acho que o fato dela produzir cigarros não inviabiliza a criação de um instituto, por exemplo. Muito pelo contrário! Dá moral à empresa. Ou vcs acham que a Coca-Cola, por fazer um produto cheio de química e calorias, não deveria ter uma fundação? Ou a Nestlé que usa transgênicos?

Cibele Silva disse...

Claro que deve Paulo, concordo com o seu ponto de vista.
Ajuda muito "uma fundação" em diversos aspectos, eu sou desconfiada com discursos de empresas dizerem que são honestas, transparentes e têm uma boa responsabilidade social, acredito que todo profissional deve ser cuidadoso antes de embarcar nestes relatos.

Eu não citei no post, mas o presidente da Souza em um determinado momento da edição "no ar" diz que a responsabilidade social que eles têm é do tamanho da companhia.
Também as empresas de agrotóxicos (um setor muito criticado tbm), tem programas parecidos com as da Souza, mas não temos como mensurar o quanto fazem bem e o quanto fazem mal, o segredo é saber dosar e utilizar os recursos disponíveis por estas empresas.

Abraços,
Belle
(A Bordo)