quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Significado do Trabalho e sua Relação com a Comunicação

Por Nayara Landim

O homem se destacou perante os outros animais por ter desenvolvido algumas competências incríveis como a habilidade de se comunicar de forma complexa e desenvolver seus próprios instrumentos de trabalho. A evolução da vida humana nos proporcionou a capacidade inventiva e transformadora, sendo a comunicação e o trabalho elementos centrais desse progresso.

Um aspecto essencial na área da Comunicação Organizacional é o conhecimento de quem é o trabalhador contemporâneo e que sentidos ele tem atribuído ao trabalho que realiza. Tendo em vista que esses resultados influenciam na vida do colaborador, dentro e fora da organização. Se o colaborador enxerga uma falta de sentido nos seus afazeres, isso pode levá-lo ao trabalho descuidado e até a infelicidade.


A ruptura do modelo “Fordista” ou “Taylorista”, impulsionou uma discussão sobre o significado do trabalho e aos poucos foi se implementando o chamado “modelo flexível”, pensado a partir dos anos 50 e conhecido pela introdução da melhoria contínua. Como o trabalho tornou-se mais reflexivo, surgiu uma necessidade de uma nova relação entre emissor e receptor.


Uma das principais discussões atuais sobre a gestão da comunicação corporativa refere-se à importância de uma visão participativa. Deixando de lado o discurso autoritário, quando o "processo de comunicação (eu-tu-eu) praticamente desaparece, visto que o tu se transforma em mero receptor” de acordo com Adilson Citelli em seu livro Linguagem e Persuasão, 2001.

Faz-se imperativo resgatar todos os colaboradores como protagonistas de uma gestão que pretenda estabelecer um equilíbrio entre as necessidades dos trabalhadores e da empresa, não somente através das tecnologias.


Para Estelle Morin em O sentido do Trabalho, citado na Revista de Comunicação Empresarial ano 16, nº59, 2006, um trabalho com sentido é feito de modo eficaz, “é intrinsecamente satisfatório, é moralmente aceitável, é fonte de experiências de relações humanas satisfatórias, garante segurança e autonomia e é aquele que nos mantém ocupados”. Ela também acredita que o trabalho possui um admirável lugar na sociedade, tanto que “mesmo que ganhássemos muito dinheiro para viver confortavelmente pelo resto da vida, mesmo assim a maioria de nós ainda trabalharia”. Nos tempos contemporâneos, trabalhar detém um caráter de relacionamento e um sentimento de vinculação, além de evitar o tédio.


Logo, a comunicação deve auxiliar nessa construção de significado do trabalho. Criando um ambiente favorável em que os relacionamentos ocorram naturalmente por meio do fortalecimento do diálogo, para que todos ganhem em produtividade e realização. E antes de planejarmos a Comunicação Organizacional, devemos entender as inter-relações desta com as demais áreas da organização para que a estruturemos como um processo contínuo. Segundo Paul Edman, Gerente de Comunicação da Petrobras, na revista já citada “pode estar aí a chave para atingirmos a eficácia comunicacional e resultados sustentáveis”.

4 comentários:

Fernando Alves disse...

Excelente artigo. Saber quem é o trabalhador contemporâneo e como ele vivencia suas relações intra e extra corporação é de fundamental importância para a eficácia da mesma.
Vou publicar e referenciar seu artigo e blog no meu blog.
Sorte e sucesso.

Cibele Silva disse...

Muito bom o artigo, rico em informações, que muitas vezes não paramos para saber a origem, a comunicação é a esstrutura e temos sempre que estar atentos a isso.
Parabéns Nayara.

Fernando, agradeço seu comentário e seu interesse pelo A Bordo.
Você pode nos encaminhar o endereço do seu blog, para podemos apreciar também?

abraços,
Cibele
(A Bordo)

Fernando Alves disse...

Oi Cibele, o endereço é http://fernandocomunica.blogspot.com
Abs.

Ocappuccino disse...

Reforço as palavras do Fernando, esta compreensão é essencial. E para comprovar basta poucos minutos falando com qualquer gestor de RH que ele afirmará 'procure sempre um trabalho e não um emprego'.

abraços, mateus