sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Onde há fumaça, há fogo.

Hoje quem toma conta da seção Extras é a Natalya Nunes, ela
tem 20 anos é estudante do 4º semestre de Publicidade e Propaganda da
Universidade de Santo Amaro (UNISA) e é uma das mediatoras do blog Toth
Comunicações
. Natalya sonhava em ser médica, mas bateu com a cabeça, então,
decidiu TENTAR se aventurar com a Publicidade.



Um assunto que vem chamando muito a atenção nas últimas semanas é a lei antifumo.
Como sabemos, agora é proibido o cigarro em ambientes fechados e de uso coletivo, no Estado de São Paulo.

Toda essa polêmica nos faz lembrar o ano de 2001, quando a propaganda de tabaco foi banida dos veículos de comunicação, restando somente às próprias caixinhas de cigarro que, agora trazem mensagens negativas mostrando aos fumantes o risco que eles sabem que estão correndo.

Já faz muito tempo que o cigarro não é mais sinônimo de status e, nem por isso as pessoas pararam de consumi-lo. É certo que houve uma diminuição no número de fumantes, principalmente entre os jovens.

Chega até a causar certo medo por parte de quem trabalha com esta indústria, por isso, segundo matéria que saiu na revista Você S.A no dia 10 de agosto, as empresas tabagistas acabam investindo em altos salários para seus funcionários, inibindo assim o possível sentimento de culpa em contribuir para as doenças causadas pelo cigarro, mas, vale ressaltar que é um produto voltado para o público adulto, portanto, quem fuma tem total consciência dos riscos que corre.

Se essa lei trará os resultados que o nosso governador José Serra espera, não temos como afirmar, mas, uma coisa é certa, como já diz aquele velho ditado, onde há fumaça, há fogo e, a cada dia o mercado publicitário está esfriando quando se fala de tabagismo.

Com a atual situação, até quem não é do ramo publicitário consegue enxergar, sem ficar com a vista embaçada pela fumaça, que os publicitários terão que suar (e muito) a camisa para continuar fazendo propaganda de tabaco.

15 comentários:

A Bordo disse...

Natalya, agradeço em nome da equipe A Bordo a sua participação.

Eu não concordo com essa lei - olha que eu não fumo e tenho pavor de quem faça isso perto de mim - mas o problema é os fumantes tinham uma área para eles, agora "na rua" eles ficam mais próximos, até eu entrar no lugar no qual eles não podem fumar eu já aspirei toda a fumaça do mundo, pois eles geralmente estão nas portarias.

Em relação a publicidade, em 2001, como vc citou vocês já passaram por uma queda da área em relação ao setor, mas as empresas de Tabaco não tiveram suas vendas "abaladas", vocês passaram muito bem pela lei e agora vão passar novamente. No entanto acho que não vai durar muito tempo.

Se o governador conseguirá o que quer, tbm não sei, mas com essa lei e com a lei que ele aprovou na segunda-feira de "privatizar" (de uma certa forma) a rede de saúde pública, o que ele conseguiu no minimo é perder o meu voto para a presidencia.


Me empolguei no comentário, né?! Desculpe.


Abraços,
Cibele
(A Bordo)

A Bordo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Naty disse...

Belle, apesar de ("publicitariamente" falando) temer a lei antifumo, eu sou a favor da mesma.
Acredito que, infelizmente, não podemos contar com o bom senso das pessoas em fumar em locais fechados, então, embora seja uma medida emergente, foi a 'solução' encontrada.

Quanto à sua visão política, acredito que realmente a imagem do Serra está abalada, cabe à sociedade mensurar os prós e contras. Eu, particularmente não sei em quem votar, vamos ver o que meus amigos publicitários vão expor sobre nossos "queridos" políticos nas proximas eleições..rs

Mais uma vez, obrigada pelo convite e pelo comentário.

Marcio Hasegava disse...

Sou fumante. Concordo com a lei, mas acho que ela tem um viés meio equivocada na forma como estabelece o combate ao fumo, eximindo-se de culpa na pela conscientização e investindo na punição.

Eu gostaria de levantar uma questão: se a propaganda para uma droga como o cigarro é proibida (e acho que tem que ser), por que ainda se permite que comerciais de bebidas alcoólicas sejam veiculados?

Naty disse...

Olá, Marcio!

Vc levantou uma questão bastante polêmica.

Assim como a propaganda de cigarro foi proibida, também existem certas restrições na de bebida alcoólica.
Recentemente, foram atribuídas às propagandas mensagens do tipo: "SE BEBER, NÃO DIRIJA" ou "APRECIE COM MODERAÇÃO", mais tarde, pudemos observar ações criadas pelas agências como: "O MOTORISTA DA RODADA", entre outras.

Eu, acredito que a bebida é mais perigosa do que o cigarro, pois, além de causar problemas de saúde e dependência, também causa acidentes de carro, violência doméstica...enfim...

Existem ações que visam não só limitar as propagandas, mas sim, proibi-las.
(Mais informações: http://opiniaoenoticia.com.br/opiniao/tendencias-debates/anvisa-quer-limitar-propaganda-de-bebidas-alcoolicas/#toggleText2 )

Como eu disse no post, quem faz uso do cigarro é consciente do mal que ele causa e digo o mesmo sobre a bebida, sobre fast-foods e sobre qualquer outra coisa que possa ser prejudicial, mas, apesar de ter escolhido essa profissão, também afirmo que a propaganda tem uma grande influências sobre o consumidor, por isso, mesmo me sentindo 'ameaçada', sou a favor de uma regulamentação consciente da veiculação de todo e qualquer produto nocivo à saúde.

Comunicação em Rede disse...

Bom, entrando nessa discussão.. Eu sou fumante e sou a favor da lei anti-fumo. Em Recife, essa lei existe a mais de um ano e tem funcionado até para os fumantes, como eu, por exemplo. Em uma festa, onde eu fumaria uma carteira de cigarro, hoje eu fumo quatro cinco no máximo porque dá trabalho ter que sair do lugar da música e da roda de amigos pra ir fumar "lá fora".

E quanto às propagandas de cigarro e bebiba, você precisam levar em consideração a questão política. A indústria da bebida é uma das mais fortes e proibir a veiculação de propagandas daria muita dor de cabeça. Coisa que os políticos não querem...

Bjs!

Naty disse...

To adorando o fato dos fumantes serem a favor desta lei, isso mostra que, talvez daqui a alguns anos não exista mais punição, pois será algo 'normal' não fumar em locais fechados.

Como eu disse no último comentário, eu prefiro que seja feita uma regulamentação consciente ao invés da proibição da propaganda de bebida. Realmente, é um mercado muito lucrativo, por isso, ressaltando o que o Márcio disse, deve-se investir mais em conscientização ao invés de punição.

Cibele Silva disse...

Olha só, eu aqui lendo a discussão, parei para pensar, eu estou pensando realmente somente em mim falando que eu não sou a favor desta lei. Pq realmente me irrita andar pela Avenida Paulista (ou outros lugares) com um monte de gente fumando e um monte de cigarro jogado no chão. Porém, realmente pode diminuir o indice de fumantes ou a diminuição de "fumos" ao dia, como disse a Karolina (com. em rede).

Sobre a propaganda de bebidas, queriam vetar também, mas o protesto foi imenso, conseguiram continuar, mas com as restrições que a Naty colocou.

Agora sobre a industria de bebida ser "gigante", acredito que não seja somente esse o motivo, pois a Souza Cruz (industria de tabago Brasileira) é a segunda maior empresa do país a sobre arregadamento de impostos, ela perde somente para a Petrobrás, para vocês terem dimensão dos números do cigarro, perde somente para o petróleo. E não foi por isso (por ser uma das mais fortes) que eles pouparam as "vetações".

Abraços,
Cibele
(A Bordo)

Comunicação em Rede disse...

"Pq realmente me irrita andar pela Avenida Paulista (ou outros lugares) com um monte de gente fumando e um monte de cigarro jogado no chão."

Belles, isso está mais ligado à falta de educação do que ao próprio produto mesmo. Se for assim, vãi ter que parar de fabricar papel, plástico, lata, etc, etc. Porque tudo isso o povo joga no chão. Eu mesma pego o filtro do cigarro, apago e coloco no lixo. Agora, já ocorreu de estar no Shopping e não ter lixo perto nem cinzero, aí sim eu coloquei no chão. Mas isso é falta de infra por parte dos estabelecimentos. Não estou justificando e nem faço isso regularmente, apenas quando realmente não encontro lixo perto.

E quanto à propaganda das bebidas também acho que deve ser feita "com moderação" até por conta das crianças e adolescentes que estão começando a beber cada vez mais cedo. Mas que a danada da cervejinha é boa..isso é! Inclusive agora mesmo tô saindo do trabalho pra ir tomar a minha.. afinal hoje é sexta! :)

Bjs!
Karol

Adriane Leal B. Filenga disse...

Oi!! Acredito que essa lei antifumo vai ajudar a reduzir o número de fumantes, ou pelo menos reduzir o quanto eles fumam, exatamente pelo desconforto de ter que sair de onde está, deixar as companhias, às vezes tá chovendo, muito frio,... Por inúmeros motivos!!
Mas, concordo que é muito desconfortável ter que passar por uma nuvem de fumaça para poder entrar nos lugares... Talvez devessem proibir não só fumar dentro dos estabelecimentos, mas também na porta deles. Ou melhor, quem fuma devia ter bom-senso e não ficar fumando na porta dos lugares, soltando fumaça quando as pessoas passam (o que acontece frequentemente...).

beijos
fiquem com DEUS

Ocappuccino disse...

Sou muito a favor da lei que parece que será adotata em Porto Alegre agora também. E em relação à indústria, trabalho ligado às indústrias e posso afirmar que aqui no estado um dos únicos setores qeu não diminui as exportações durante está crise foi a indústria de tabaco. Portanto este argumento não é válido.

abraços, mateus

Aline Derenzi disse...

Nossa cheguei um pouco tarde na discussão, mas vou deixar meu ponto de vista. Acho que a lei anti-fumo chegou em boa hora. Era desagradável ir em um lugar e ter que "fumar" junto com as outras pessoas e concordo que é uma medida que pode reduzir o número de fumantes e evitar novos consumidores. Já a respeito das bebidas acho que não tomaram as mesmas medidas em relação a propaganda pelo amplitude do mercado que elas têm, pq eu nunca fui numa balada ou barzinho que vendesse cigarro. Então acho que teria uma discussão e oposição ainda maior mesmo se só houvesse uma proibição de propagandas.

parabéns, ótimo post.

Abraços!

Naty disse...

Olá, galera!
Fico feliz em saber que gostaram do post.

Karol, realmente a bebida está sendo consumida cada vez mais cedo, mas, eu acredito que isso envolve muitas questões.
Claro que a propaganda tem uma grande culpa nisso, afinal, os comerciais de cerveja continuam associando seu consumo à alegria, diversão, etc..
Mas é isso...bora curtir pq a vida é curta..rs! ;D

***********************************

Adriane, realmente é desconfortável para quem não é fumante ter que conviver com a falta de bom senso de algumas pessoas, mas, sejamos otimistas! Eu continuo acreditando que é tudo uma questão de adaptação. Como ja citei em um comentário, quem sabe daqui a algum tempo não seja mais necessária a lei, não é mesmo?

***********************************

Mateus, eu também acredito que a indústria nao será muito afetada, mas, com certeza as agências de publicidade já estão sendo.
Acredito que todos lembram de quando a Marlboro patrocinava a Ferrari...a F1 é um esporte que envolve muuuuuuuito $$$$$, e hoje, como disse no post, a indústria tabagista nao pode mais fazer nenhum tipo de propaganda...
quem sai no prejuízo maior são as agências, sou convicta disto..rs

***********************************

Aline, eu também acredito que pode diminuir o consumo de tabaco, afinal, essa lei trouxe até uma certa dificuldade para os fumantes...

E quanto à banição das propagandas de bebida alcoolica, realmente é uma questão muito complicada, para mim, o máximo que pode acontecer é uma regulamentação mais rígida, como a que vemos nas caixinhas de cigarro, com aquelas mensagens do Ministério da Saúde.
Conforme o link que citei em um outro comentário, existe um projeto que propõe que os personagens do comercial digam claramente os efeitos nocivos que a bebida tras.
Uma coisa é certa, ia ser muito estranho um comercial de cerveja trazer uma simulação de uma reunião do AA...rs

***********************************

Muito obrigada pelos comentários, galera!

Beijos e excelente fds prolongado.
;D

A Bordo disse...

Em nome da equipe do A Bordo agradeço todos os comentários.

Natalya, o acompanhamento que foi feito por vocês, a tratativa, a responsabilidade de responder todos os comentários, é muito digno de um bom comunicador, parabéns.
Quero deixar aqui o convite para voltar mais vezes no A Bordo para falar de PP na seção Extras.

Abraços,
Cibele

Natalya Nunes disse...

Poxa vida, Belle, eu é que devo agradecer pela oportunidade. ;)

Gostei MUITO de participar da sessão e espero voltar mais vezes...

Mais uma vez, obrigada a todos que participaram da discussão.

Beijinhos.
;*