quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Relações Públicas no Brasil - Pernambuco

Por Danilo Marinho

Hoje daremos início na seção Relações Públicas do Brasil em âmbito regional. Danilo Marinho mediador do blog Clube do RP falará sobre a profissão de Relações Públicas em Pernambuco e para ajudar no desenvolvimento do contexto foi realizada uma entrevista com o Professor e Relações Públicas em Pernambuco Alexandre Costa.


Relações Públicas é uma atividade que no Brasil iniciou suas atividades em meados do século XX e, aqui em Pernambuco, mais especificamente, já tem mais de 40 anos. No entanto, segundo dados da GECORP, pesquisa realizada pela UEL, no estado, a representatividade do curso é de apenas 2%. O curso de Comunicação Social com habilitação em Relações Públicas aqui em Recife é oferecido por duas faculdades. A Escola Superior de Relações Públicas e a Universidade Católica de Pernambuco. Os altos preços das mensalidades nos cursos de Comunicação Social da Universidade Católica causaram um afastamento, diminuindo a procura por tais cursos. Em comunicado, a coordenadora do curso de Relações Públicas da UNICAP, Verônica Brayner informou que os valores das mensalidades irão diminuir e que o curso de RP não vai ser extinto.

Segundo Alexandre Costa, relações públicas da Chesf (Companhia Hidroelétrica do São Francisco), alega que um dos aspectos que mais interferem na procura pelo curso de Relações Públicas em Pernambuco é o fato de o curso somente ser oferecido em faculdade privadas, o que se constata, quando tive a oportunidade de conversar com uma pre-vestibulanda e, na ocasião ela me perguntou se tinha o curso de RP na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e quanto custava a mensalidade na Esurp.

A grande maioria das organizações privadas de pequeno e médio porte ainda vê as relações públicas como atividade secundária, o que reflete diretamente no mercado de trabalho. Em se tratando de estagiários existe uma grande preocupação estética de fazer parte de um departamento de comunicação de alguma organização, onde conste em seu crachá de identificação o nome da função ou cargo, “Fulano, estagiário de relações públicas”. Alexandre ainda completa: “... em algumas regiões, esse conceito ainda é embrionário, mas já existem grandes evoluções no desenvolvimento da atividade. Felizmente o conceito “tarefeiro” de Relações Públicas está sumindo.” Na contramão de sentido, as grandes empresas já perceberam a importância do profissional de comunicação dentro de suas instalações. Grandes organizações já despertam para essa tendência que é fundamental para a sua sobrevivência: a comunicação.

Relações Públicas é uma atividade moderna, do presente, projetando um futuro. Através das diversas atividades dessa profissão, o mercado poderá tomar conhecimento do quanto as RP podem contribuir efetivamente com pensamentos e estratégias para o desenvolvimento do trabalho dentro das organizações e, acima de tudo apresentando resultados concretos.

Para ele, tanto os profissionais quanto os estagiários não precisam estar locados em departamentos de comunicação, ou terem o nome Relações públicas em suas carteiras de trabalho para exercerem suas funções de RP, “... Hoje o profissional, como disse antes, pode desenvolver suas atividades em qualquer área e ser um profissional reconhecido”. Afirma Alexandre.

As relações públicas possibilitam ao profissional um vasto campo de atuação, esse é um dos grandes trunfos da atividade. Em Pernambuco, por exemplo, uma grande lacuna é a área cultural, em que grande parte da produção executiva, assessoria de imprensa, relacionamento, são preenchidas por profissionais de outras áreas. Falta capacitação e interesse por parte de profissionais e estudantes, visto que no estado essa é uma área em constante expansão.

4 comentários:

Anônimo disse...

meninas,
de cara adorei o lay out. vou mergulhar nos posts. parabéns pelo trabalho.
bjs, Marli Santos

Cibele Silva disse...

Já conheço bons profissionias em PE, boa equipe e muito atenciosos, pena que o curso não seja muito procurado.
Como disse o professor Alexandre a profissão está crescendo na região, porém ainda não ganhou grandes proporções.


Obrigada Professora Marli.
Agradecemos a visita e espero que a senhora goste dos textos também.

Abraços,
Belle
(A Bordo)

Ocappuccino disse...

Dois momentos, um triste (A grande maioria das organizações privadas de pequeno e médio porte ainda vê as relações públicas como atividade secundária, o que reflete diretamente no mercado de trabalho) e outro feliz (Felizmente o conceito “tarefeiro” de Relações Públicas está sumindo) e creio que o segundo é mais importante que o primeiro e é o que auxilia nesta mudança de percepção. Quando vislumbrarem o papel estratégico das RRPP, aí conquistamos o mundo :)

MATEUS

Comunidade RP Brasil disse...

Oi gente!

De fato, em Pernambuco a profissão ainda está se expandindo, mas já temos ótimos profissionais no estado atuando em diversos campos.

Na verdade, o crescimento da área de comunicação no nordeste como um todo e, principalmente em PE, tem despertado interesse por parte dos profissionais (marketeiros, publicitários, jornalistas e outros) de outros estados.

Tive a oportunidade de conversar com alguns desses profissionais e todos foram unânimes em dizer que o Sul do país está atento ao crescente mercado de comunicação nordestino. Afirmam que somos muito promissores na área. Por isso, alguns profissionais escolhem desenvolver sua carreira profissional neste mercado em pleno desenvolvimento, onde a concorrência ainda não é tão acirrada como em outras partes do país.

Nós, profissionais pernambucanos, sabemos que ainda há muito por fazer para consolidar nossa profissão por aqui. Mas temos a certeza que já estamos caminhando para esta realidade.

Abraço para meus amigos de PE: Alexandre e Danilo.

Cibele, estou à disposição. Não precisa agradecer. A classe RP precisa se unir em prol da efetividade da profissão.

E o blog? Está cada vez melhor. Parabéns!

Danielly Pontes
Comunidade RP Brasil